Falando à Cúria Romana Papa Francisco enumera tentações e desafios dos seus membros e todos os cristãos do mundo.

24 05 2015

Francisco_ACIPrensa_1

Vaticano, 22 Dez. 14 / 11:43 am (ACI).- O Papa Francisco recebeu em audiência na Sala Clementina os membros da Cúria Romana para os tradicionais votos de Boas Festas enumerou as quinze doenças, ou tentações, da Cúria e de todos os cristãos convidando a um sincero exame de consciência na preparação do Natal.

Ao falar doenças ou tentações o Papa Francisco esclarece que estes não dizem respeito apenas à Cúria Romana mas são um perigo para qualquer cristão, diocese, comunidade, congregação, paróquia e movimento eclesial.

O Papa Francisco observou que “seria belo pensar na Cúria Romana como um pequeno modelo de Igreja, ou seja, como um corpo que tenta seriamente e quotidianamente de ser mais vivo, mais são, mais harmonioso e mais unido em si próprio e com Cristo.”

O Santo Padre afirmou ainda a Igreja não pode viver sem ter uma relação vital, pessoal e autênctico com Cristo. “Vai nos ajudar o catálogo das doenças, na esteira dos padres do deserto” – afirmou o Papa Francisco que passou a apresentar as quinze doenças ou tentações, recolhidas em nota pela Rádio Vaticano:

Sentir-se imortal ou indispensável – “Uma Curia que não faz auto-crítica, que não se atualiza é um corpo enfermo”. É o “complexo dos eleitos, do narcisismo”;

Martalismo – provêm de Marta – é a doença do excesso de trabalho – os que trabalham sem usufruírem do melhor. A falta de repouso leva ao stress e à agitação;

A mentalidade dura – ou seja, quando se perde a serenidade interior, a vivacidade e a audácia e nos escondemos atrás de papeis, deixando de ser “homens de Deus”;

A excessiva planificação – “quando o Apóstolo planifica tudo minuciosamente e pensa que assim as coisas progridem torna-se num contabilista”. É a tentação de querer pilotar o Espírito Santo;

Má coordenação – quando se perde a comunhão e o “corpo perde a sua harmoniosa funcionalidade”;

O Alzheimer espiritual – esquecer a história do encontro com Deus. Perda da memória com o Senhor. Criam muros e são escravos de ídolos.

Rivalidade e vã glória – quando o objetivo da vida são as honorificências. Leva-nos a ser falsos e a viver um falso misticismo.

Esquizofrenia existencial – “vivem uma vida dupla fruto da hipocrisia típica do medíocre e do progressivo vazio espiritual que licenciaturas e títulos académicos não podem preencher”. Burocratismo e distância da realidade. Uma vida paralela.

Fofocas – nunca é demais falar desta doença. Podem ser homicidas a sangue frio. “É a doença dos velhacos que não tendo a coragem de falar diretamente falam pelas costas”. Defendamo-nos do terrorismo da fofoca;

Cortejar os chefes – Carreirismo e oportunismo. “Vivem o serviço pensando unicamente àquilo que devem obter e não ao que devem dar”. Pode acontecer também aos superiores;

Indiferença perante os outros – quando se esconde o que se sabe. Quando por ciúme sente-se alegria em ver a queda dos outros em vez de o ajudar a levantar”;

Cara fúnebre – para ser sérios é preciso ser duros e arrogantes. “A severidade teatral e o pessimismo estéril são muitas vezes sintomas de medo e insegurança”. “O apóstolo deve esforçar-se por ser uma pessoa cortês, serena, entusiasta e alegre e que transmite alegria…”. “Como faz bem uma boa dose de são humorismo”;

Acumular bens materiais – “Quando o apóstolo tenta preencher um vazio existencial no seu coração acumulando bens materiais, não por necessidade, mas só para sentir-se seguro”;

Círculos fechados – viver em grupinhos. Inicia com boas intenções mas faz cair em escândalos;

O lucro mundano e exibicionismo – “quando o apóstolo transforma o seu serviço em poder e o seu poder em mercadoria para obter lucros mundanos ou mais poder.

O Papa Francisco concluiu o seu discurso recordando de ter lido uma vez que “os sacerdotes são como os aviões, fazem notícia só quando caiem…”. “Esta frase” – observou o Papa – “é muito verdadeira porque delineia a importância e a delicadeza do nosso serviço sacerdotal e quanto mal poderia causar um só sacerdote que cai a todo o Corpo da Igreja”.

http://www.acidigital.com/noticias/falando-a-curia-romana-papa-francisco-enumera-tentacoes-e-desafios-dos-seus-membros-e-todos-os-cristaos-do-mundo-31977/

Anúncios




Uma Vida Solitária

19 09 2013

205501_299537573498929_656873692_n

Separação do mundo
“Os primeiros monges cartuxos “seguido a luz do Oriente, isto é, os monges antigos que , ardendo de amor pela memória do Sangue do Senhor habitaram desertos recém povoados para professarem a vida solitária e pobreza de espírito . Portanto, é necessário que os cartuxos , trilhando seus passos , pois eles moram em um eremitério suficientemente distantes das casas dos homens , mas especialmente para fazer-se estranhos para preocupações mundanas . ”
De acordo com a tradição dos Padres do Deserto, a busca da união com Deus, da forma mais direta possível , normalmente requer a separação do mundo . A paz exterior da solidão protege a paz interior do coração. Assim, o mosteiro foi construído longe de casa, e vive apenas um monge em  cada célula dentro dos muros da cidade, abstendo-se de qualquer ministério , exceto pelo fato de oração. Este é um requisito para os Estatutos cartuxos que expressam fortemente : ” Desde a nossa Ordem totalmente dedicada à contemplação , é necessário que tenhamos em um absolutamente fiel a nossa separação do mundo . Nós, portanto,  não exercemos ministério pastoral , apesar da necessidade urgente de apostolado ativo , para cumprir o Corpo Místico de Cristo, nossa função específica. ”
Guigo , o monge em que o Espírito confiou a missão de elaborar a primeira regra dos Cartuxos , por seu lado, comemorou o despertar de todos os Padres das riquezas espirituais oferecidos para os solitários : “Você sabe de fato que, especialmente no Antigo e no Novo Testamento quase todos os maiores e mais profundos segredos foram revelados para os servos de Deus não está no tumulto das multidões, mas quando eles estavam sozinhos. Os mesmos servos de Deus , quantas vezes eles acenderam o desejo de meditar mais profundamente alguma verdade ou a rezar com maior liberdade ou livre das coisas terrenas para o êxtase do espírito, quase sempre evitou os obstáculos da multidão e os benefícios pretendidos da solidão ( … ) quanto de lucro você se considera solidão espiritual chamou os santos padres e venerável Paulo , Anthony , Hilarion , Bento e inúmeros outros, e você terá a prova de que nada mais de solidão, pode favorecer a doçura da salmodia , o aplicativo para leitura, o fervor da oração , atingindo meditação, contemplação e êxtase do dom das lágrimas ”

http://www.certosini.info





Uma vida solitária

2 04 2013
Monge Cartuxo

Monge Cartuxo

Separação do mundo
Os primeiros monges cartuxos “seguido a luz do Oriente, ou seja, os antigos monges que, ardendo de amor pela memória do sangue de Cristo, derramado recentemente habitavam os desertos de professar a vida solitária e pobreza de espírito. É, portanto, necessário que os cartuxos, trilhando seus passos, como eles moram em um eremitério suficientemente afastados das habitações dos homens, mas especialmente que você deve fazer-se estranhos, mesmo para as preocupações mundanas. ”
De acordo com a tradição dos Padres do Deserto de buscar a união com Deus, o mais diretamente possível, geralmente requer separação do mundo. Paz exterior de solidão protege a paz interior do coração. Assim, o mosteiro foi construído longe de casa, e só vive em Mônaco cada célula dentro das muralhas da cidade, abstendo-se de qualquer ministério, excepto a oração. Esta é uma necessidade que para os Estatutos da Ordem dos Cartuxos expressar com força: “Porque a nossa ordem totalmente dedicada à contemplação, é necessário que mantenhamos a nossa separação absolutamente fiel do mundo. Nós, portanto, abster-se de qualquer ministério, enquanto a necessidade urgente para o ministério ativo, para cumprir o Corpo Místico de Cristo, nossa função específica. ”
Guigo, o monaco em que o Espírito confiou a missão de preparar a primeira regra dos Cartuxos, por sua célebre na esteira de todos os Padres das riquezas espirituais oferecidos para os solitários: “Porque vós mesmos sabeis que no Antigo e especialmente o Novo Testamento quase todos os segredos maiores e mais profundas foram revelados para os servos de Deus no tumulto da multidão, mas quando eles estavam sozinhos. Os servos de Deus mesmo, cada vez que acendeu o desejo de meditar mais profundamente alguma verdade ou a rezar com maior liberdade ou livre de coisas terrenas para o êxtase do espírito, quase sempre evitou os obstáculos da multidão e os benefícios pretendidos da solidão (…) quanto de lucro você se considera solidão espiritual chamou os pais santas e veneráveis ​​Paulo, Anthony, Hilarion, Bento e inúmeros outros, e você terá a prova de que não há nada mais que a solidão pode promover a suavidade dos salmos, o ” aplicação à leitura, o fervor da oração, as meditações contundentes, o êxtase da contemplação e do dom de lágrimas “.
Êxodo no deserto
“Deixe o mundo para dedicar-se em solidão para uma oração mais intensa, não é senão uma forma particular de expressar o mistério pascal de Cristo, que é a morte para a ressurreição.”
A Sagrada Escritura apresenta o êxodo pelo deserto como o principal evento da história de Israel. Sob a liderança de Moisés, os judeus saíram do Egito, e depois de atravessar o Mar Vermelho, viveu 40 anos no deserto. Havia falta de provas, mas chegou no meio do deserto, do Sinai, Deus manifestado de uma forma extraordinária e uma aliança com eles.
Os Padres da Igreja e todos os monges viu um prenúncio do homem rota Êxodo mística em busca de Deus
Guigo em seu louvor da vida solitária, ele lembrou o cartuxo o exemplo dos grandes contemplativos da Bíblia, que viveu sozinho no mistério do encontro com Deus, Jacó, que lutou com o anjo e só recebeu a graça de um nome melhor Elias, que viveu por muito tempo no barranco de um rio e marcharam quarenta dias e quarenta noites até Horebe, onde Deus se revelou a ele em uma brisa suave, Eliseu, que gostava de se aposentar em oração no quarto no andar de cima preparado pela sunamita e, especialmente, João Batista, que é considerado o padroeiro dos eremitas.
O próprio Jesus procurou a solidão: imediatamente após o seu batismo no Jordão, foi levado ao deserto pelo Espírito Santo, e em muitos episódios dos Evangelhos deixa a multidão e se retirou para a montanha sozinho para rezar, um dia convida seus apóstolos para ir de distância em um lugar solitário, e, finalmente, só na cruz, abandonado por todos, oferecendo ao Pai para a salvação do mundo.
O Monaco, seguindo a Cristo no deserto, participa no mistério que leva de volta para o seio do Pai, do Filho, crucificado e ressuscitado dos mortos. Na solidão, ele faz um êxodo espiritual verdadeira, em que a morte molas vida nova.
Solidão da cela

O invólucro dentro do qual há o Mosteiro da Cartuxa o sinal visível da sua separação do mundo. Fora do espaçamento semanal o monge não é permitido sair de casa, exceto em casos raros e por uma necessidade real. O antes mesmo da Grande Chartreuse, enquanto superior geral da Ordem, não exceda os limites de seu deserto nunca.
No entanto, é, acima de tudo, na privacidade do seu celular que os pais vivem a sua vocação Solitária, enquanto os irmãos que vivem na cela e, em parte, em obediência onde trabalham. Cada um tem sua própria solidão como no seio de um mosteiro, que é em si só.
Os Estatutos lembrar a todos que a célula é um lugar privilegiado de união com Deus: “O nosso compromisso e da nossa vocação, principalmente, a dedicar-nos ao silêncio e à solidão da cela. Este é, de facto, a terra santa eo lugar onde o Senhor e seu servo, muitas vezes conversar em conjunto, como um amigo com seu amigo. É freqüentemente na alma fiel está unida a Palavra de Deus, a noiva se une ao Esposo, as próprias coisas celestiais com a terra, o divino para o humano. ” Mesmo o trabalho obediências são separadas umas das outras, como as células, e são organizadas de modo a que ele dá a solidão máximo possível. Deste modo, o isolamento é adequado para a situação de cada uma delas.
Os Padres do Deserto celebrada corrida para os benefícios de lealdade para com o celular, onde o solitário, de acordo com uma imagem usada por eles e recuperação dos Estatutos da Ordem dos Cartuxos, é como um peixe na água. Guilherme de Saint-Thierry escreveu ao Cartuxos de Mont-Dieu, “a célula nunca deve ser um confinamento forçado, mas uma morada de paz, e à porta fechada, mas não escondendo a retirada. Aquele com quem Deus é, de fato, nunca é menos sozinha do que quando está sozinho. Portanto, sinta-se livre para apreciá-la em sua alegria, então ele é desfrutar sua auto e auto em Deus “.
O silêncio
Silêncio e solidão andam lado a lado, já que o primeiro protege a solidão interior e promove o encontro: “. Somente aquele que ouve o silêncio sentir o sussurro do vento leve que mostra o Senhor”
O cartuxos são irmãos que vivem lado a lado em silêncio, respeitando uns aos outros a conversa interior com Deus Grande é a virtude do silêncio. “Embora no silêncio dia cedo pode ser uma tarefa, gradualmente, se fomos fiéis, o nosso silêncio mesmo vai nascer em nós a atração de um silêncio ainda maior.” A reunião da alma com Deus está além de toda a fala, em uma simples troca de olhares: a linguagem do amor, que nada mais é que a linguagem da eternidade.
“Nós reconhecemos a qualidade da palavra divina, quando consagrar enquanto não temos que falar para silenciar livre de preocupações e acompanhada de uma lembrança ardente de Deus.” Há, de facto, um silêncio interior que é muito mais difícil do que a mera ausência de palavras. Destaca-se a partir de pensamentos errantes que penetram no coração através da imaginação. Os Padres do Deserto neste discípulos respeito colocar a sua guarda, e procurou, acima de tudo pureza de coração, que o amor de Deus preferiu tudo o resto. Como ele escreveu um deles, Cassiano: “Em vista da pureza de coração, de modo que tudo tem que ser feito e entendido por nós. Para ele deve ser procurado solidão …. Portanto, as virtudes que o acompanham, ou seja, os jejuns, vigílias, solidão, meditação da Escritura, devemos exercê-los em vista o objetivo principal, ou seja, a pureza de coração, que é a caridade. ”

Fonte:http://www.certosini.info





O Significado da Cruz de Cristo em nossa vida.

23 03 2013
Cruz - El Greco

Cruz – El Greco

O significado da Cruz

de Cristo em nossa vida.

Os apóstolos ensinam, conforme vimos, que todas as bênçãos dessa vida e da vida futura é o resultado direto do sofrimento na cruz do Filho de Deus encarnado. Essas bênçãos não se estendem somente sobre a humanidade, mas também sobre toda a natureza e até mesmo sobre todo o universo e elas serão renovadas no dia da ressurreição geral (cf. Rom 8:18; 2Pdr 3:13).

A bênção mais importante resultante da morte redentora e da ressurreição de Cristo para o ser humano é o dom de uma nova vida em Cristo e a capacidade de viver aperfeiçoando-se espiritualmente, para tornar-se semelhante a Deus. Tudo isso é citado nas Escrituras. As demais bênçãos espirituais acham-se intimamente relacionadas com a possibilidade do homem transformar-se em um novo homem ou em uma nova criação. Antes da vinda de Cristo, a humanidade era incapaz de levar uma verdadeira vida espiritual, pois ela estava prisioneira de seus desejos carnais, que eram freqüentemente desejos pecaminosos. As bênçãos da redenção de Cristo induz ao homem novos pensamentos e nova perspectiva na vida. A redenção de Cristo desmascara o vazio e a vaidade de nossa vida terrena e nos permite perceber o significado de nossa existência, ajudando-nos aproximarmos a cada passo de nossa meta e nos revelando como é alegre e maravilhosa a vida futura. A graça do Espírito Santo ajuda-nos constantemente ao caminho de nosso objetivo final. Ela substitui o sentimento de opressão e amargura que atinge o homem de maneira geral, pela sensação de leveza e de paz interior; ela substitui a sede dos prazeres infames, pela doçura do relacionamento com Deus; ela substitui o amor próprio doentio, pelo desejo nobre de praticar o bem.

Entretanto, qualquer tipo de crescimento e aperfeiçoamento requer também esforço pessoal. Deus nos conduz, ajuda-nos e nos dá todas as ferramentas para o sucesso, porém, constância e luta são ingredientes necessários para se tornar virtuoso. Todas as dificuldades externas ou internas são denominadas pessoalmente de “cruz.” Todo cristão é chamado a seguir o Senhor, carregando a cruz de sua vida. Cada cristão tem que levar sua cruz pessoal, se ele quiser participar da vitória contra o mal. A salvação consiste de duas partes: a parte objetiva já concluída por Jesus Cristo na cruz e a parte subjetiva que se baseia no esforço pessoal para se tornar um verdadeiro cristão. O próprio Senhor falou sobre esse segundo aspecto da salvação: “O que não toma a sua cruz e (não) Me segue, não é digno de Mim” (Mt 10:38).

Não há nada desolador para o cristão levar a sua cruz pessoal. Os apóstolos consolam a si próprios e aos demais, quando falam sobre o sacrifício do cristão, afirmando: “E, se (somos) filhos, também (somos) herdeiros: herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; mas isto, se sofremos com Ele, para ser com Ele glorificados” (Rom 8:17).

Quanto mais um cristão compartilha nos sofrimentos de Cristo, tanto mais ele compartilhará na Sua glória. Os apóstolos lembrando o infinito amor de Cristo ainda ensinavam: “Nisto conhecemos o amor de Deus: em ter dado a Sua vida por nós; igualmente nós devemos também dar a vida pelos nossos irmãos” (1João 3:16).

Algumas palavras sobre o sinal da cruz.

Antes de Cristo, a cruz era um instrumento da mais cruel punição e um símbolo de horror. Depois de Seus sofrimentos, ela tornou-se o sinal da vitória do bem sobre o mal, da vida sobre a morte, da lembrança do amor infinito de Deus e da fonte de alegria. O Filho de Deus encarnado santificou a cruz com Seu sangue, tornou-a condutora de suas bênçãos e santidade e a transformou em fonte de inspiração dos fiéis. Isso nos convence a experiência milenar da Igreja. Por causa desses bens, o sinal da cruz tornou-se um componente essencial na vida do cristão desde os tempos apostólicos, sendo usado em todos os ofícios religiosos e em orações particulares. Por exemplo, a água é abençoada com o sinal da cruz e torna-se água benta, o pão e o vinho são abençoados com o sinal da cruz durante a liturgia e se transformam no Corpo e Sangue de Cristo. Em resumo, todos os sacramentos adquirem suas forças espirituais através do sinal da cruz e com o poder do sinal da cruz expulsa-se a força do mal. Assim como as moscas não podem suportar a chama, assim os demônios não podem suportar a presença da cruz. O sinal da cruz protege o cristão de acidentes e infortúnios e atrai a ajuda de Deus para si. Esse é o porquê, dos cristãos ortodoxos venerarem tanto a Santa Cruz, de se abençoarem com o sinal da cruz, de usarem a cruz em seu peito e de adornarem seus lares e templos com cruzes.
Akáfist a Nosso

Senhor Jesus Cristo.

A tradução foi feita para o russo contemporâneo por:
bispo Alexander Mileant
a partir de um texto em eslavo eclesiástico, impresso na tipografia da Lavra de Kievo-Petchersk, datado de 1895.

Kondaquion 1

Invencível combatente e Senhor do céu e da terra, a Ti, Rei Imortal, vendo-Te pendente na cruz a criação toda se transforma, o céu apavora-se, oscila a estrutura da terra; quanto a nós indignos, gratos, reverenciamos Teus sofrimentos passados por nós e acompanhando o bom ladrão clamamos a Ti: Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós ao entrares no Teu Reino!

Ikos 1

Completando as patentes dos anjos, Tu não recebeste deles a existência, mas sendo Deus, por nós Te tornaste homem e com isso vivificaste o assassinado pelos pecados, ressuscitando-o com Teu corpo e sangue. Por isso, nós lembrando o Teu amor assim Te agradecemos: Jesus Deus, amor eterno. Tu ofereceste uma graça a nós, nascidos na terra. Jesus, Tu tendo deixado os anjos corneteiros, desceste até os homens decaídos. Jesus, Tu assumindo o nosso corpo, com a própria morte destruíste o poder da morte. Jesus, Tu nos divinificaste com os Teus próprios padecimentos, redimindo o mundo todo. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 2

O anjo vendo-Te no jardim de Getsêmani, encharcado de suor de sangue, apresentando-se Te fortalece, esgotado pelo imenso peso de nossos pecados, pois lançaste aos ombros o perecido Adão e o trouxeste ao Pai. Por isso, de joelho oro e com fé e amor canto para Ti: Aleluia!

Ikos 2

Jesus, os judeus não entenderam o Teu padecimento insuportável, quando disseste aos que Te buscavam durante a noite com tochas acesas: “sou Eu.” Então, embora se tenham prostrado por terra, a seguir Te amarraram e Te conduziram ao julgamento. Enquanto nós nesse percurso inclinamo-nos diante de Ti e com amor clamamos: Jesus, luz do universo, o mundo traiçoeiro passou a odiar-Te. Jesus, estás em meio à luz inatingível, foste tomado pelo poder obscuro. Jesus, Filho de Deus imortal, Tu foste condenado à morte pelo filho da perdição. Jesus, desconhecedor da traição, Tu foste beijado por um traidor. Jesus, Te doaste a todos sem nada pedir em troca, Tu foste vendido por prata. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 3

Com Tua divindade foste capaz de prever a tripla negação de Teu discípulo. Embora ele tenha Te negado sob juramento, mais tarde ao ver-Te, seu Senhor e Mestre, no pátio do primaz, sentiu-se frustrado e se retirando, chorou amargamente. Agracia-me também, Senhor, e toque meu coração cruel, para que eu seja capaz de lavar meus pecados em lágrimas, louvando-Te: Aleluia!

Ikos 3

Tendo, em verdade, o poder do primaz hierárquico Melquisedec, Tu, Soberano e Senhor de todos, surgiste diante do primaz Caifás. Tendo aceito os padecimentos dos próprios escravos, aceite de nós essa gratidão: Jesus, inestimável, tendo sido comprado por uma quantia, adquira-me para Teu eterno legado. Jesus, desejo de todos, negado por Pedro devido ao medo, não abandones a mim pecador. Jesus, Cordeiro sem maldade, trucidado por porcos selvagens, livra-me dos meus inimigos. Jesus, entrando com o próprio sangue no Santo dos Santos, purifica-me dos pecados da matéria. Jesus amarrado, possuidor do poder de perdoar, livra-me do peso dos meus pecados. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 4

Judeus preocupados pela tempestade do cristicídio, aceitando o inspirado pelo pai da mentira, o demônio, negaram-Te caminho verídico, semelhante a verdade e vida. Enquanto nós confessando Contigo, Cristo, tal qual com a força de Deus que contém no seu cofrezinho todos os tesouros do saber e da inteligência, cantamos: Aleluia!

Ikos 4

Pilatos ouvindo Tua humilde resposta, entregou-Te à crucificação como se Tu merecesses a morte, e reconheceu ele próprio não ter encontrado em Ti qualquer culpa. Lavou suas mãos, maculando o coração. Enquanto nós admirando o mistério do Teu padecimento voluntário, clamamos embevecidos: Jesus, Filho de Deus e Filho da Virgem, Tu foste torturado até a morte pelos filhos da ilegalidade. Jesus, ofendido e despido, Tu presenteias beleza aos lírios do campo e trajas os céus com alvas nuvens. Jesus, coberto de feridas, alimentaste com cinco pães cinco mil pessoas. Jesus, Rei de todos, Tu aceitaste cruéis sofrimentos ao invés de amor e gratidão. Jesus, Rei de todos, maltratado por nossa causa ao longo de um dia todo, cure as feridas das nossas almas. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 5

Tu, trajando luz, qual roupa fosse, cobriste-Te todo com Teu sangue divino. Sou conhecedor, verdadeiramente conhecedor de acordo com as profecias da razão do rubro dos Teus trajes: eu, Senhor, com os meus pecados Te cobri de feridas. Por isso, a Ti, ferido por minha causa, clamo com gratidão: Aleluia!

Ikos 5

Isaías, inspirado por Deus, prevendo por meio do Espírito, que estarias coberto de indignidades e feridas, horrorizado exclamava: “Nós O víamos, sem qualquer atrativo ou beleza exterior.” Enquanto que ao ver-Te na cruz, nós com fé e espanto clamávamos: Jesus, suportando a desonra, coroaste o homem de glória e honra. Jesus, para Quem os anjos não possuem o direito de olhar, Tu foste batido nas faces. Jesus, açoitado com uma cana na cabeça, incline para a humildade, a minha. Jesus, com Teus olhos límpidos obscurecidos de sangue, desvie os meus olhos das atribulações para me ser impossível vê-las. Jesus, sem uma célula intacta da cabeça aos pés, faça-me no todo inteiro e sadio. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 6

Testemunha da Tua humildade, Pilatos declarou ao povo que em Ti nada existia para mereceres a morte. Mas os judeus qual feras selvagens ao verem sangue, rangiam os dentes contra Ti clamando, crucifique-O, crucifique-O. Enquanto nós beijando Teus imaculados ferimentos, clamamos: Aleluia!

Ikos 6

Tu realizaste diante dos anjos e dos homens um evento incrível, quando Pilatos disse: “Eis o Homem.” Vinde pois, enclinemo-nos diante de Jesus, maltratado por nós, clamando: Jesus criador e juiz de todos, Tu julgas Tua própria criação e Te sujeitas aos padecimentos. Jesus, doador da suprema sabedoria, Tu não respondestes aos tolos. Jesus, médico dos feridos pelos pecados ensina-me o arrependimento. Jesus, pastor derrotado, derrota os demônios que me estão tentando. Jesus, cuja matéria foi ferida, fira meu coração com o medo Teu. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 7

Graças à libertação dos seres humanos da escravidão do inimigo, Tu conseguiste ser humilde diante dos próprios inimigos; Jesus, e qual cordeiro mudo foste conduzido à condenação, suportando todas as feridas pela incondicional liberdade do homem, que clama: Aleluia!

Ikos 7

Tu mostraste uma paciência surpreendente, quando os soldados maltratando-Te por ordem de um injusto juiz, feriram Teu corpo imaculado, enrubecendo-O com sangue da cabeça aos pés. Enquanto nós debulhados em lágrimas, clamamos a Ti: Jesus, humanitário, pelos humanos Tu foste coroado com espinhos. Jesus, desconhecedor das paixões, pela Tua divindade Tu suportas as paixões, para das paixões nos libertar. Jesus, Salvador meu, salve-me, merecedor de todos os castigos. Jesus, abandonado por todos, minha segurança, fortalece-me. Jesus, por todos ofendido, minha alegria, alegra-me. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 8

Moisés e Elias apareceram diante de Ti milagrosa e surpreendentemente, falando sobre Tua morte, que ora se concretiza em Jerusalém. Lá viram a Tua glória, enquanto aqui ao vermos nossa salvação, clamam conosco: Aleluia!

Ikos 8

Sempre perseguido pelos judeus, Tu suportaste ofensas e sofrimentos graças à infinidade de meus pecados. Uns te condenam como inimigo de César, outros como malfeitor, outros ainda clamam: “Prendam-No, prendam-No e crucifiquem-No.” Enquanto nós, do fundo da alma, dizemos ao condenado por todos e conduzido para a crucificação: Jesus, juiz nosso, injustamente condenado, não nos condenes pelas nossas obras. Jesus, sem forças para suportar o caminho, carregando a cruz, Tu és minha força, não me abandones, quando eu for testado. Jesus, clamando ao Pai por ajuda e dando exemplo a todos do sacrifício, fortaleça-me na minha fraqueza. Jesus, aceitaste a desonra, és a minha glória, não me afastes da Tua glória. Jesus, imagem de hipóstase* paterna transforme meu viver impuro e obscurecido. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

*(cada uma das pessoas da Santíssima Trindade considerada como substancialmente distinta das outras duas)

Kondaquion 9

Vendo-Te pregado na cruz, a natureza esmoreceu toda: o sol, no céu, escondeu os seus raios, a terra estremeceu, a cortina do templo fendeu-se, as pedras espalharam-se, o inferno soltou os mortos. Enquanto nós aos pés da Tua cruz clamamos: Aleluia!

Ikos 9

Os brilhantes oradores não são capazes, mesmo em muitas palavras, de transmitir o agradecimento digno aos Teus padecimentos divinos, ó Amante dos homens. Enquanto nossa alma, nosso corpo, o coração e todas as juntas, com afeto evocam a Ti: Jesus, pregado na cruz, pregue e destrua o rol de nossos pecados. Jesus, abrindo da cruz os braços para todos, atraia-me também a mim perdido. Jesus, perfurado na costela, introduza-me com as Tuas feridas no Teu palácio. Jesus, crucificado em matéria, crucifica meu corpo com as paixões e luxúrias. Jesus, esvaído em sofrimentos, torna-me digno de contemplar com o meu coração a Ti crucificado. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 10

Desejando salvar o mundo, Tu curaste os cegos, os mancos, os leprosos, os mudos e os surdos, além de expulsar os maus espíritos. Já, os tolos judeus respirando ódio e sofrendo por inveja, pregaram-Te na cruz, sem saber entoar: Aleluia!

Ikos 10

Sempre terno Rei, Jesus, Tu sofres totalmente pela minha falta de repressão, para me purificar todo. Tu nos ofereces um exemplo completo para que nós o sigamos, clamando: Jesus, o amor é inatingível, Tu não atribuíste o pecado aos Teus crucificadores. Jesus, orando em lágrimas no parreiral, ensina-me também a orar. Jesus, cumpriste todas as profecias a Ti dirigidas, cumpre os benditos desejos de nosso coração. Jesus, que doaste Teu espírito nas mãos do Pai, recebe o meu Espírito quando da minha morte. Jesus, não Te opuseste à divisão de Tuas roupas, humildemente, separa minha alma de meu corpo. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 11

Tua pura Mãe eleva a Ti um canto afetuoso, dizendo: embora Tu estejas sofrendo na cruz, Eu sei que Tu és nascido das entranhas do Pai antes da estrela matutina (Vesper. Sl 109:3). Vejo como todas as criaturas sofrem Contigo. Doando Teu espírito ao Pai, aceita também o meu espírito e não me abandones clamando: Aleluia!

Ikos 11

Qual vela luminosa queimando em amor junto de Tua cruz, Tua pura Mãe sofria terrivelmente, vendo-Te qual verídico sol da verdade, descendo à tumba. Com Ela aceita também do fundo de nosso coração essas orações: Jesus, Tu foste elevado sobre a cruz para que nós decaídos, fôssemos elevados para junto de Teu Pai. Jesus, Tu doaste a Mãe Imaculada ao genuíno evangelista João, para ensinares a nós a integridade e a pureza. Jesus, entregaste o discípulo teólogo Àquela que Te deu a luz, encarregue-A também de cuidar de todos nós com sua proteção maternal. Jesus, conquistador do universo e do inferno, derrota a descrença, o orgulho e a corrupção dos olhos, que vivem em nós. Jesus, destruidor do grande poder da morte, livra-me da morte eterna. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 12

Agracia-me com Tua bênção, Jesus, Deus meu, recebe-me, como recebeste José e Nicodemus, para que eu possa entregar-Te minha alma qual límpida mortalha e para que eu unte o Teu corpo puro com fragrâncias dos benfeitores, mantendo-Te no coração tal qual numa tumba, clamando: Aleluia!

Ikos 12

Exaltando em cantos Tua crucificação voluntária, inclinamo-nos diante de Teus sofrimentos, Cristo. Junto com o centurião cremos que em verdade, Tu, Filho de Deus, estavas destinado a chegar sobre as nuvens claras com imenso poder e glória. Não envergonhes a nós, redimidos pelo Teu sangue, clamando: Jesus, grande padecedor em nome das lágrimas de Tua Virgem-Mãe, livra-nos das chamas eternas. Jesus, abandonado por todos, não me abandones no momento da minha morte. Jesus, recebe-me, como recebeste Madalena, que tocou nos Teus pés. Jesus, não me condenes com o traidor e com os crucificadores. Jesus, faze-me adentrar no paraíso junto com o bom ladrão. Jesus, Filho de Deus, lembra-Te de nós quando chegares ao Teu Reino!

Kondaquion 13

Ó Jesus Cristo, Cordeiro de Deus, que assumiste os pecados do mundo, recebe esta minúscula gratidão, ofertada a Ti do fundo da alma, e cura-nos com Teus sofrimentos redentores de qualquer mal da alma ou do corpo, isola-nos com Tua cruz dos inimigos visíveis e invisíveis, e não nos abandones em nossa morte, mas faze de tal modo, que com Tua morte nós nos livremos da morte eterna e sempre clamemos a Ti: Aleluia!








%d blogueiros gostam disto: