Prece Árabe

10 09 2013

305927_513564705345558_1001755605_n

“Deus, não consintas que eu seja
o carrasco que sangra as ovelhas,
nem uma ovelha nas mãos dos algozes.

Ajuda-me a dizer sempre a verdade
na presença dos fortes,
e jamais dizer mentiras para ganhar os aplausos dos fracos.

Meu Deus!
Se me deres a fortuna,
não me tires a felicidade;
se me deres a força, não me tires a sensatez;
se me for dado prosperar,
não permita que eu perca a modéstia,
conservando apenas o orgulho da dignidade.

Ajuda-me a apreciar o outro lado das coisas,
para não enxergar a traição dos adversários,
nem acusá-los com maior severidade do que a mim mesmo.

Não me deixes ser atingido pela ilusão da glória, quando bem sucedido
e nem desesperado quando sentir insucesso.

Lembra-me que a experiência de um fracasso
poderá proporcionar um progresso maior.

Ó Deus!
Faze-me sentir que o perdão é maior índice da força,
e que a vingança é prova de fraqueza.

Se me tirares a fortuna,
deixe-me a esperança.
Se me faltar a beleza da saúde,
conforta-me com a graça da fé.

E quando me ferir a ingratidão e a
incompreensão dos meus semelhantes,
cria em minha alma a força da desculpa e do perdão.

E finalmente Senhor,
se eu Te esquecer,
te rogo mesmo assim,
nunca Te esqueças de mim !”

(Texto traduzido do árabe por Seme Draibe)

Fonte:http://www.padrecleodon.com.br

Anúncios




Dar-me-á a paz….

9 09 2013

1187005_10201292109038853_622865696_n

“Dar-me-á a paz, livrando minha alma dos que me acossam, pois numerosos são meus inimigos.”
(Sl 55,18)





Nierko-Iervi: Nina S. Nicolaevna

7 06 2013

19622_10151232738735876_156809468_n

Estava eu sentado com Nina Nicolaevna na pequena sacada da “dacha” de Nierko-Iervi, no meio de um enorme bosque que se estendia desde Komio até ao sul pela tundra de Laplandy. A “dacha” se encontrava isolada, em meio de um espesso bosque, às margens de um lago aprazível. O sol poente se refletia nas tranqüilas águas douradas. Eu admirava sem cansar-me o jogo de cores sobre o lago. Se de manhã era profundamente azul, era quase negro na aurora, rosa ao crepúsculo e mais tarde, rosa, roxo, violeta e negro. O céu azul-claro estava sem nuvens e alguns pássaros gorjeavam no bosque. O aroma das flores e a frescura do lago chegavam até nós.

O marido e os filhos de Nina Nicolaevna já tinham ido deitar-se, e nós estávamos na sacada admirando as cores cambiantes do lago. A noite diáfana reinava em toda a sua beleza.

– Aqui estamos tão tranqüilos, Nina Nicolaevna, como se fosse outro planeta ou vivêssemos trezentos anos atrás, quando havia pouca gente, não existiam trens, automóveis, aviões e, contudo, as pessoas que buscavam o silêncio emigravam para o norte, para a ilha Solovky no Oceano Ártico.

– Só aqui descansa a minha alma, Sérgio Nicolaevich. Somente aqui há lagos e bosques, não há cidades, nem povoados. Nas grandes cidades se vive com dificuldade: ruído, ar contaminado, agitação, multidões. E onde há muita gente, há intrigas, invejas, calúnias e outros males. Quando eu era jovem, gostava de toda esta agitação e ruído. Fui muito infeliz no meu primeiro casamento. Meu marido era um homem simpático, inteligente, mas superficial, desordenado, sem fé nem princípios. Quando tudo terminou em tragédia, voltei à fé. Fui a Valaam encontrar-me com o Padre João para pedir-lhe conselho: “Sabe, serva de Deus – disse ele – não sofra demasiado, como se tudo estivesse perdido. Você é jovem e pode mudar as coisas. Ademais, o Senhor nunca nos manda provações superiores às nossas forças. Lembre-se sempre disto: existe uma tradição que diz que certo monge se entristecia pela sua vida e murmurava contra a sua pesada cruz. Uma vez teve um sonho em que se via a si mesmo numa enorme gruta em cujas paredes estavam penduradas muitas cruzes. Havia cruzes de ouro, de prata, de ferro, de pedra, etc. Nisso ouviu uma voz: “A sua oração foi ouvida! ‘Escolha qualquer uma destas cruzes, a que julgar adequada a suas forças’. O monge começou a buscar com muita atenção e por fim encontrou uma pequena cruz de madeira. ‘Posso levar esta?’ perguntou. ‘Mas se esta for a tua cruz, as demais serão ainda mais pesadas’, respondeu a voz. Agora te parece que tua cruz é pesada e, contudo, eu, como staretz, ouço amiúde e vejo tantos horrores, que é um pecado você murmurar contra Deus. Reze freqüentemente repetindo a Oração de Jesus, e entregue-se à vontade de Deus. Ele próprio lhe mostrará o caminho a seguir, então venha outra vez e lhe direi o que puder”. E me deixou.

Passaram-se alguns anos. Eu trabalhava num lugar modesto e vivia tranqüila. Uma vez me convidaram a um baile, e embora já tivesse trinta anos. aproximou-se de mim um cavalheiro um pouco maior que eu e me convidou para dançar com ele. Aceitei. Depois, encontramo-nos duas vezes mais. Disseram-me que este cavalheiro era solteiro, um dos mais ricos da colônia escandinava e respeitado por todos. É ele meu atual marido e um homem muito interessante. Depois de uns dois ou três meses que nos conhecíamos, pediu-me em casamento. Meus pais ficaram entusiasmados com semelhante partido, porém, por causa de minha experiência anterior, me mostrei cautelosa e desconfiada, pedi-lhe um tempo para pensar sobre a minha resposta. Meu noivo aceitou. Procurei o staretz de Valaam para pedir-lhe conselho e lhe contei tudo. Esteve pensando alguns minutos e depois me disse: “Serva de Deus, lembre-se que lhe disse que tudo se acertaria e que o próprio Deus a conduziria pelo caminho certo, e isto aconteceu. Tenha sempre presente que as penas e o sofrimento não desaparecem, mas se transformam. Em lugar da pequena cruz de madeira de uma vida humilde, pobre, desconhecida, lhe darão uma cruz de ouro que você poderá levar, se praticar a misericórdia e a beneficência, mas será mais pesada. Inveja-la-ão, calunia-la-ão, procurarão indispor você com o seu marido e com a sua família, etc. Mas se você não se apegar nem às riquezas, nem às honras que logo virão, e à vida agitada, então você conservará a paz interior, sobretudo se você se exercitar, o mais possível, na Oração de Jesus. E ainda aconselho você a retirar-se, uma vez por ano pelo menos, a um lugar solitário e aí entregar-se à oração e à meditação. Você verá quanto lhe será útil”.

Tenho muitos anos de casada, e durante um mês, cada ano, venho aqui. No começo, meus filhos e meu marido não gostavam muito, mas agora todos esperam este momento. Isto é o paraíso. E devo dizer que o staretz estava certo porque a cruz das riquezas é mais pesada que a cruz da pobreza, e é, além disso, mais perigosa, porque é fácil cair no orgulho e ficar impassível diante da dor alheia.

Agora há um staretz maravilhoso no Novo Valaam, o hieromonge Mijail, o Recluso. Vá conversar com ele sobre suas dificuldades na vida e ele lhe dará conselhos. Dei-me conta através dos anos que a coisa à qual se aspira com obstinação, lutando contra tudo, e que finalmente acontece, não é útil, mas prejudicial, porque ou a pessoa se mortifica pela coisa, ou se torna indiferente, ou percebe que o esforço não valia a pena. O que vem de Deus, vem só, ou como diz o Evangelho: “O Reino de Deus não vem visivelmente, mas está dentro de nós”.

Há muito, muito tempo, quando começou o sofrimento com o meu primeiro marido, disse a uma tia, que era uma mulher de muita experiência: “Vou deixar meu marido. Deixarei tudo e outra vez serei feliz”. Ela respondeu-me: “Vê-se que você é jovem, Nina. Você nunca poderá fugir de si mesma e se tiver paz em sua alma, estará bem em toda a parte. Na vida não se pode fugir do sofrimento, deve-se ter paciência, orar e esperar, e o Senhor lhe mostrará o caminho a seu tempo. Esta é a verdade, mas quando a gente é jovem, não entende isso”.

Calamo-nos. O lago estava mais escuro. “Já são onze horas da noite – advertiu Nina Nicolaevna e está claro como o dia. Está na hora de descansar, Sérgio Nicolaevich, boa-noite!”

Peregrinando para Deus

Sérgio N. Bolshakov

Fonte:http://www.ecclesia.com.br





Catequese do Papa Bento XVI. 27.02.2013 – Cidade do Vaticano

10 03 2013
Papa Bento XVI

Papa Bento XVI

 

Adoro-te, meu Deus,

e te amo com todo o coração.

 

27.02.2013 – Cidade do Vaticano: Cerca de 150 mil fiéis se reuniram na Praça São Pedro para ouvirem última Catequese de Bento XVI. “Amar a Igreja significa também ter a coragem de fazer opções difíceis, árduas, tendo sempre em vista o bem da Igreja e não nós mesmos” – recordou Bento XVI, na serena e ao mesmo tempo vibrante alocução que constituiu a última palavra pública do seu pontificado.

Venerados irmãos no Episcopado e no Sacerdócio!
Ilustres Autoridades!

Queridos irmãos e irmãs!

 Agradeço-vos por terem vindo em tão grande número para esta minha última Audiência geral. Obrigado de coração! Estou realmente tocado! E vejo a Igreja viva! E penso que devemos também dizer um obrigado ao Criador pelo tempo belo que nos doa agora ainda no inverno.

Como o apóstolo Paulo no texto bíblico que ouvimos, também eu sinto no meu coração o dever de agradecer sobretudo a Deus, que guia e faz crescer a Igreja, que semeia a sua Palavra e assim alimenta a fé no seu Povo. Neste momento a minha alma se expande para abraçar toda a Igreja espalhada no mundo; e dou graças a Deus pelas “notícias” que nestes anos do ministério petrino pude receber sobre a fé no Senhor Jesus Cristo, e da caridade que circula realmente no Corpo da Igreja e o faz viver no amor, e da esperança que nos abre e nos orienta para a vida em plenitude, rumo à pátria do Céu.

Sinto levar todos na oração, um presente que é aquele de Deus, onde acolho em cada encontro, cada viagem, cada visita pastoral. Tudo e todos acolho na oração para confiá-los ao Senhor: para que tenhamos plena consciência da sua vontade, com toda sabedoria e inteligência espiritual, e para que possamos agir de maneira digna a Ele, ao seu amor, levando frutos em cada boa obra (cfr Col 1,9-10).

Neste momento, há em mim uma grande confiança, porque sei, todos nós sabemos, que a Palavra de verdade do Evangelho é a força da Igreja, é a sua vida. O Evangelho purifica e renova, traz frutos, onde quer que a comunidade de crentes o escuta e acolhe a graça de Deus na verdade e vive na caridade. Esta é a minha confiança, esta é a minha alegria.

Quando, em 19 de abril há quase oito anos, aceitei assumir o ministério petrino, tive a firme certeza que sempre me acompanhou: esta certeza da vida da Igreja, da Palavra de Deus. Naquele momento, como já expressei muitas vezes, as palavras que ressoaram no meu coração foram: Senhor, porque me pedes isto e o que me pede? É um peso grande este que me coloca sobre as costas, mas se Tu lo me pedes, sobre tua palavra lançarei as redes, seguro de que Tu me guiarás, mesmo com todas as minhas fraquezas.

E oito anos depois posso dizer que o Senhor me guiou, esteve próximo a mim, pude perceber cotidianamente a sua presença. Foi uma parte do caminho da Igreja que teve momentos de alegria e de luz, mas também momentos não fáceis; senti-me como São Pedro com os Apóstolos na barca no mar da Galileia: o Senhor nos doou tantos dias de sol e de leve brisa, dias no qual a pesca foi abundante; houve momentos também nos quais as águas eram agitadas e o vento contrário, como em toda a história da Igreja, e o Senhor parecia dormir.

Mas sempre soube que naquela barca está o Senhor e sempre soube que a barca da Igreja não é minha, não é nossa, mas é Sua. E o Senhor não a deixa afundar; é Ele que a conduz, certamente também através dos homens que escolheu, porque assim quis. Esta foi e é uma certeza, que nada pode ofuscá-la.  E é por isto que hoje o meu coração está cheio de agradecimento a Deus porque não fez nunca faltar a toda a Igreja e também a mim o seu consolo, a sua luz, o seu amor.

Estamos no Ano da Fé, que desejei para reforçar propriamente a nossa fé em Deus em um contexto que parece colocá-Lo sempre mais em segundo plano. Gostaria de convidar todos a renovar a firme confiança no Senhor, a confiar-nos como crianças nos braços de Deus, certo de que aqueles braços nos sustentam sempre e são aquilo que nos permite caminhar a cada dia, mesmo no cansaço.

Gostaria que cada um se sentisse amado por aquele Deus que doou o seu Filho por nós e que nos mostrou o seu amor sem limites. Gostaria que cada um sentisse a alegria de ser cristão. Em uma bela oração para recitar-se cotidianamente de manhã se diz: “Adoro-te, meu Deus, e te amo com todo o coração. Agradeço-te por ter me criado, feito cristão…”. Sim, somos contentes pelo dom da fé; é o bem mais precioso, que ninguém pode nos tirar! Agradeçamos ao Senhor por isto todos os dias, com a oração e com uma vida cristã coerente. Deus nos ama, mas espera que nós também o amemos!

Mas não é somente a Deus que quero agradecer neste momento. Um Papa não está sozinho na guia da barca de Pedro, mesmo que seja a sua primeira responsabilidade. Eu nunca me senti sozinho no levar a alegria e o peso do ministério petrino; o Senhor colocou tantas pessoas que, com generosidade e amor a Deus e à Igreja, ajudaram-me e foram próximas a mim.

Antes de tudo vós, queridos Cardeais: a vossa sabedoria, os vossos conselhos, a vossa amizade foram preciosos para mim; os meus Colaboradores, a começar pelo meu Secretário de Estado que me acompanhou com fidelidade nestes anos; a Secretaria de Estado e toda a Cúria Romana, como também todos aqueles que, nos vários setores, prestaram o seu serviço à Santa Sé: são muitas faces que não aparecem, permanecem na sombra, mas propriamente no silêncio, na dedicação cotidiana, com espírito de fé e humildade foram para mim um apoio seguro e confiável.

Um pensamento especial à Igreja de Roma, a minha Diocese! Não posso esquecer os Irmãos no Episcopado e no Sacerdócio, as pessoas consagradas e todo o Povo de Deus: nas visitas pastorais, nos encontros, nas audiências, nas viagens, sempre percebi grande atenção e profundo afeto; mas também eu quis bem a todos e a cada um, sem distinções, com aquela caridade pastoral que é o coração de cada Pastor, sobretudo do Bispo de Roma, do Sucessor do Apóstolo Pedro. Em cada dia levei cada um de vós na oração, com o coração de pai.

Gostaria que a minha saudação e o meu agradecimento alcançasse todos: o coração de um Papa se expande ao mundo inteiro. E gostaria de expressar a minha gratidão ao Corpo diplomático junto à Santa Sé, que torna presente a grande família das Nações. Aqui penso também em todos aqueles que trabalham para uma boa comunicação, a quem agradeço pelo seu importante serviço.

Neste ponto gostaria de agradecer verdadeiramente de coração todas as numerosas pessoas em todo o mundo, que nas últimas semanas me enviaram sinais comoventes de atenção, de amizade e de oração. Sim, o Papa não está nunca sozinho, agora experimento isso mais uma vez de um modo tão grande que toca o coração. O Papa pertence a todos e tantas pessoas se sentem muito próximas a ele.

É verdade que recebo cartas dos grandes do mundo – dos Chefes de Estado, dos Líderes religiosos, de representantes do mundo da cultura, etc. Mas recebo muitas cartas de pessoas simples que me escrevem simplesmente do seu coração e me fazem sentir o seu afeto, que nasce do estar junto com Cristo Jesus, na Igreja.

Estas pessoas não me escrevem como se escreve, por exemplo, a um príncipe ou a um grande que não se conhece. Escrevem-me como irmãos e irmãs ou como filhos e filhas, com o sentido de uma ligação familiar muito afetuosa. Aqui pode se tocar com a mão o que é a Igreja – não uma organização, uma associação para fins religiosos ou humanitários, mas um corpo vivo, uma comunhão de irmãos e irmãs no Corpo de Jesus Cristo, que une todos nós. Experimentar a Igreja deste modo e poder quase tocar com as mãos a força da sua verdade e do seu amor é motivo de alegria, em um tempo no qual tantos falam do seu declínio. Mas vejamos como a Igreja é viva hoje!

Nestes últimos meses, senti que as minhas forças estavam diminuindo e pedi a Deus com insistência, na oração, para iluminar-me com a sua luz para fazer-me tomar a decisão mais justa não para o meu bem, mas para o bem da Igreja. Dei este passo na plena consciência da sua gravidade e também inovação, mas com profunda serenidade na alma. Amar a Igreja significa também ter coragem de fazer escolhas difíceis, sofrer, tendo sempre em vista o bem da Igreja e não de si próprio.

Aqui, permitam-me voltar mais uma vez a 19 de abril de 2005. A gravidade da decisão foi propriamente no fato de que daquele momento em diante eu estava empenhado sempre e para sempre no Senhor. Sempre quem assume o ministério petrino já não tem mais privacidade alguma. Pertence sempre e totalmente a todos, a toda a Igreja. Sua vida vem, por assim dizer, totalmente privada da dimensão privada.

Pude experimentar, e o experimento precisamente agora, que se recebe a própria vida quando a doa. Antes disse que muitas pessoas que amam o Senhor amam também o Sucessor de São Pedro e estão afeiçoadas a ele; que o Papa tem verdadeiramente irmãos e irmãs, filhos e filhas em todo o mundo, e que se sente seguro no abraço da vossa comunhão; porque não pertence mais a si mesmo, pertence a todos e todos pertencem a ele.

O “sempre” é também um “para sempre” – não há mais um retornar ao privado. A minha decisão de renunciar ao exercício ativo do ministério não revoga isto. Não retorno à vida privada, a uma vida de viagens, encontros, recepções, conferências, etc. Não abandono a cruz, mas estou de modo novo junto ao Senhor Crucificado. Não carrego mais o poder do ofício para o governo da Igreja, mas no serviço da oração estou, por assim dizer, no recinto de São Pedro. São Benedito, cujo nome levo como Papa, será pra mim de grande exemplo nisto. Ele nos mostrou o caminho para uma vida que, ativa ou passiva, pertence totalmente à obra de Deus.

 Agradeço a todos e a cada um também pelo respeito e pela compreensão com o qual me acolheram nesta decisão tão importante. Continuarei a acompanhar o caminho da Igreja com a oração e a reflexão, com aquela dedicação ao Senhor e à sua Esposa que busquei viver até agora a cada dia e que quero viver sempre. Peço-vos para lembrarem-se de mim diante de Deus e, sobretudo, para rezar pelo Cardeais, chamados a uma tarefa tão importante, e pelo novo Sucessor do Apóstolo Pedro: o Senhor o acompanhe com a sua luz e a força do seu Espírito.

Invoquemos a materna intercessão da Virgem Maria Mãe de Deus e da Igreja para que acompanhe cada um de nós e toda a comunidade eclesial; a ela nos confiemos, com profunda confiança.

Queridos amigos! Deus guia a sua Igreja, a apóia mesmo e sobretudo nos momentos difíceis.Não percamos nunca esta visão de fé, que é a única verdadeira visão do caminho da Igreja e do mundo. No nosso coração, no coração de cada um de vós, haja sempre a alegre certeza de que o Senhor está ao nosso lado, não nos abandona, está próximo a nós e nos acolhe com o seu amor. Obrigado!

Fonte: Boletim da sala de Imprensa da Santa Sé.





ESCUTAI, JESUS, A MINHA DOR QUASE MORIBUNDA

10 02 2013

Blessed_Alexandrina_da_Costa_1935

Escutai, Jesus, a minha dor quase moribunda. Duro golpe lhe foi dado.

Ó dor, ó dor que matas a dor!

Ó dor, que só por Jesus podes ser conhecida!…

Com os olhos em Vós, Jesus, as calúnias, as humilhações, os desprezos, os ódios, o esquecimento têm a doçura do vosso amor.

Venha tudo, ó Jesus, venha tudo o que Vos aprouver. Morra o meu nome, como sinto que morreu o meu corpo e a minha alma, para que viva o vosso divino amor nos corações e a vossa graça nas almas.

Eis, meu Amado, porque me deixo imolar!

Mas como resistir a tanto, ó Jesus?

Olhai este coração que rebenta, se desfaz em dor!

Não pode com tanto aperto, se não vindes em seu auxílio!

Vinde, vinde, ó Jesus! Socorro, socorro, Jesus!

Meu Deus, se eu soubesse que com o meu sofrimento a vossa con­solação era completa! Se eu pudesse viver fechada neste quar­tinho, sendo Vós, meu Jesus, e estas pobres paredes testemu­nhas das minhas dores, sem que os meus e todos os que me são queridos pudessem recordar que eu vivia aqui e que em dia algum da vida eu tinha vivido na companhia deles, então já não sofria!

Mas vejo que quem sofre mais é o vosso divino Coração e que os que me são queridos sofrem comigo, não podem mais esquecer-me: então faz-me sofrer a mais não poder.

Quantas vezes não posso conter as lágrimas, cega, cega de dor!

… Fito meus olhos no Crucificado, levanto-os ao Céu, fico por algum tempo a contemplar Jesus, e logo as lágrimas, que me pareciam nunca mais terem fim, estancam. Sinto vida nova.

Meu Deus, que luta tremenda! Ai de mim sem Vós, Jesus!

Mãezinha, valei-me, sou a vossa vítima!

Ó Santa Teresinha, Santa Gema, São José e Santos meus mais queridos, valei-me !

Ó Céu, ó Céu, conto contigo.





Frases de São João da Cruz

5 02 2013
Grande místico e escritor.Santo da Ordem Carmelita.

Grande místico e escritor.Santo da Ordem Carmelita.

Tendo concluído com êxito seus estudos teológicos, em 1567 ordena-se sacerdote e celebra sua Primeira Missa. No entanto, ficou muito desiludido pelo relaxamento da vida monástica em que viviam os Conventos Carmelitas. Decepcionado, tenta passar para a Ordem dos Cartuxos, ordem muito austera, na qual poderia viver a severidade de vida religiosa à que se sentia chamado. Em Setembro de 1567 encontra-se com Santa Teresa de Ávila, que lhe fala sobre o projeto de estender a Reforma da Ordem Carmelita também aos padres, surgindo posteriormente os carmelitas descalços.

FRASES DE SÃO JOÃO DA CRUZ:

“O Verbo Filho de Deus, juntamente com o Pai e o Espirito Santo, está essencial e realmente escondido no íntimo de cada ser.”

“Se está em mim aquele a quem minha alma ama, como não o encontro nem o sinto? É por estar ele escondido. Mas não te escondas também; assim podes encontrá-lo e senti-lo…”

“Teu Amado esposo é o tesouro escondido no campo de tua alma, pelo qual o sábio comerciante deu todas as suas riquezas.”

“Nisto tens motivo de grande gozo e alegria, vendo como todo o teu bem – a tua esperança – se encontra tão perto de ti, ou melhor, está dentro de ti, e tu não podes viver sem ele.”

“O demônio teme a alma unida a Deus como ao próprio Deus.”

“O amor consiste em despojar-se e desapegar-se, por Deus, de tudo o que não é Ele.”

“Como acontece aos bem-aventurados no céu: uns vêem mais a Deus e outos menos, mas todos o contemplam e estão felizes, porque cada um pode satisfazer a própria capacidade.”

“Para possuir Deus plenamente, é preciso nada ter; porque se o coração pertence a Ele, não pode voltar-se para outro.”

“Para buscar a Deus, requer-se um coração despojado e forte, livre de tudo o que não é puramente Deus.”

“Afeiçoar-se ao mesmo tempo a Deus e a criatura são coisas contrárias: não podem existir numa só pessoa.”

“Deus é inacessível. Não repares, portanto, no que as tuas faculdades podem compreender, nem teus sentidos experimentar, para que não te satisfaças com menos e assim perderes a presteza necessária para chegar a Ele.”

“A criatura atormenta, e o espírito de Deus gera alegria.”

“Há uma distância infinita entre o ser divino e o ser das criaturas, por isso é impossível à inteligência, por si só, atingir a Deus.”

“Que felicidade o homem poder libertar-se de dua sensualidade! Isto não pode ser bem compreendido, a meu ver, senão por quem o experimentou. Só então verá claramente como era miserável a escravidão em que se estava.”

“Adquire-se a sabedoria através do amor, do silêncio e da mortificação; grande sabedoria é saber calar e não inserir-se em ditos ou fatos e na vida alheia.”

“A purificação que leva a alma à união com Deus, é noite:
– quanto ao ponto de partida, pois a alma priva-se do prazer de todas as coisas do mundo;
– quanto ao caminho a tomar – a fé; noite verdadeiramente escura para o entendimento;
– quanto ao termo ao qual a alma se destina – Deus; ser incompreensivel e infinitamente acima de nossas faculdades.”

“É inegável que a alma chega ao conhecimento de Deus, antes pelo que ele não é do que pelo que ele é.”

“O amor não consiste em sentir grandes coisas, mas em despojar-se e sofrer pelo Amado.”

“É próprio do perfeito amor nada querer admitir ou tomar para si, nem atribuir-se coisa alguma, mas tudo referir ao Amado. Se nos amores da terra é assim, quanto mais no amor de Deus.”

“Sofrer por Deus é melhor que fazer milagres.”

“Quem não busca a cruz de Cristo não busca a glória de Cristo.”

“A alma que quer que Deus se lhe entregue inteiramente há de se entregar toda sem reservar nada para si.”

“Quando tiveres algum aborrecimento e desgosto, lembra-te de Cristo crucificado e cala-te.”

“Alma formosíssima entre todas as criaturas, que tanto desejas saber o lugar onde está teu Amado, a fim de o buscares e a ele te unires. Já te foi dito que és tu mesma o aposento onde ele mora, e o recôndito esconderijo em que se oculta.”

“Nisto tens motivo de grande gozo e alegria, vendo como todo o teu bem – a tua esperança – se encontra tão perto de ti, ou melhor está dentro de ti, e tu não podes viver sem ele.”

“Em teu recolhimento interior, regozija-te com ele, pois ele está muito perto de ti”.

“O amor não cansa nem se cansa.”

“Onde não há amor, põe amor e colherás amor.”

“Para se progredir, o que mais se necessita é saber calar diante de Deus… a linguagem que ele melhor ouve é a do silêncio de amor.”

“No ocaso da vida serás examinado sobre o amor.”

voltar

“Para a pessoa crescer na contemplação até chegar à união com Deus, deverão ficar de lado, e em silêncio, todos os meios e exercícios sensíveis das faculdades humanas.”

“Ora, não há maior grandeza para a alma do que ser igualada a Deus. Por isso, ele se serve somente do amor da alma, pois é próprio do Amor igualar o que ama com o objeto amado.”

“Para Deus, amar a alma é, de certa maneira, integrá-la em si mesmo, igualando-a consigo; ama, então, essa alma, nele e com ele, com o próprio amor com que ele se ama.”

“Aprende a amar a Deus como ele quer ser amado.”

“Quando tiveres teus desejos apagados, tuas afeições na aridez e angústias, e tuas faculdades incapazes de qualquer exercício interior, não sofras por isso; considera-te feliz por estares assim. É Deus que te vai livrando de ti mesmo, e tirando-te das mãos todas as coisas que possuis.”

“O progresso da pessoa é maior quando ela caminha às escuras e sem saber”.

“À medida que Deus prova o espírito e o sentido, a pessoa vai adquirindo, com sofrimento, virtudes, forças e perfeição.”

“Enquanto a pessoa não se despojar de tudo, não terá capacidade para receber o Espírito de Deus em pura transformação.”

“O que busca satisfação em alguma coisa não está livre para que Deus o plenifique de seu inefável sabor.”

“Ainda que estejas no sofrimento, não queiras fazer a tua vontade, pois terás assim o dobro de sofrimento.”

“Quanto mais Deus quer-se dar, tanto mais desperta em nós o desejo dele, até deixar-nos vazios para encher-nos de seus bens.”

“A amplidão do deserto ajuda muito o espírito e o corpo. O Senhor se compraz quando também o espírito tem o seu deserto.”

“Sofrer por Deus é melhor que fazer milagres.”

“É humilde quem se esconde no seu nada e sabe abandonar-se em Deus.”

“Põe a atenção amorosamente em Deus, sem ambição de querer sentir ou entender coisa particular a seu respeito.”

“Quando a alma deseja a Deus com toda a sinceridade, já possui o seu Amado.”

“Abandone-se a alma nas mãos de Deus e não queira ficar em suas próprias mãos; fazendo assim e deixando livres as potências, caminhará segura.”

“Quem não busca a cruz de Cristo não busca a glória de Cristo.”

“Quando tiveres algum aborrecimento e desgosto, lembra-te de Cristo crucificado e cala.”

“Queres alguma palavra de consolação? Olha o meu Filho, submisso, humilhado, por meu amor, e verás quantas palavras te responde.”

“Não é bem orientado o espírito que quer caminhar por doçuras e facilidades, fugindo de imitar a Cristo.”

“A pessoa crucificada interior e exteriormente com Cristo viverá feliz e satisfeita e, na paciência, possuirá a sua alma.”

“Não te detenhas em coisas mesquinhas, nem repares nas migalhas que caem da mesa de teu Pai. Sai, e gloria-te em tua glória; esconde-te nela e aí goza, e alcançarás os pedidos de teu coração.”

“O amor é a união do Pai e do Filho: e assim é a união da alma com Deus.”

“Embora a alma tenha altíssimas revelações divinas, a mais elevada contemplação, a ciência de todos os mistérios… se lhe falta amor, de nada lhe servirá para unir-se a Deus.”

“Deus só coloca sua graça e predileção numa alma, na medida da vontade e do amor da mesma alma.”

“Quando a alma se acha livre e purificada de tudo, em união com Deus, nenhuma coisa poderá aborrecê-la. Daqui se origina para ela, neste estado, o gozo de uma contínua suavidade e tranqüilidade, que ela nunca perde nem jamais lhe falta.”

“Como a alma já possui, enfim, perfeito amor, é chamada Esposa do Filho de Deus.”

Tal é a alma que está enamorada de Deus. Não pretende vantagem ou prêmio algum a não ser perder tudo e a si mesma, voluntariamente, por Deus, e nisto encontra todo o seu lucro.”

“Não basta que Deus que nos ame para dar-nos virtudes; é preciso que, de nossa parte, também o amemos, a fim de podermos recebê-las e conservá-las.”

“É próprio do perfeito amor nada querer admitir ou tomar para si, nem atribuir-se coisa alguma, mas tudo referir ao Amado. Se nos amores da terra é assim, quanto mais no amor de Deus.”

“Para Deus, amar a alma é, de certa maneira integrá-la em si mesmo, igualando-a consigo; ama, então, essa alma, nele e com ele, com o próprio amor com que se ama.”

“O olhar de Deus produz na alma quatro bens, isto é, a purificam, a favorecem, a enriquecem e a iluminam. É como o sol que, dardejando na terra os seus raios, seca, aquece, embeleza e faz resplandecer os objetos.”

“Não fujas dos sofrimentos, porque neles está a tua saúde.”

“Amado meu, tudo o que é difícil e trabalhoso o quero para mim, e tudo o que é suave e saboroso o quero para ti.”

“Na união com o Amado, a alma verdadeiramente se rejubila e louva a Deus, com o mesmo Deus, e assim este louvor é perfeitíssimo e muito agradável a ele.”

“Oh, que bens serão aqueles que gozaremos com o olhar da SANTÍSSIMA TRINDADE!”

“Deus quer mais de ti um mínimo de obediência e docilidade do que todas as ações que realizas por ele”.

“O falar distrai e o silêncio na ação leva ao recolhimento e dá força ao espírito.”

“Nenhuma representação ou imaginação serve de meio próximo para a união com Deus; portanto, deve a alma despojar-se de todas elas.”

“Aprendam a permanecer em Deus, com atenção amorosa, com calma, sem se preocuparem com a imaginação e com as imagens que ela forma. Assim, as faculdades descansam e não atuam; recebem passivamente a ação divina.”

“Grande mal é olhar mais para os bens de Deus do que para o próprio Deus. Ele pede oração e despojamento.”

“Ao que está desprendido, não lhe pesam cuidados, na hora da oração ou fora dela.”

“Para entrar no caminho do espírito (que é a contemplação) deve a pessoa espiritual deixar o caminho da imaginação e da meditação sensível.”

“O Senhor se comunica passivamente ao espírito, assim como a luz se comunica passivamente a quem não faz mais que abrir os olhos para recebê-la.”

“Suma da perfeição:

Esquecimento do criado,
memória do Criador,
atenção ao interior
e estar amando o Amado.”

“Olha que Deus só reina numa alma pacificada e desinteressada.”

“Deus está portanto escondido na alma e ali o há de buscá-lo com amor o bom contemplativo.”

“É pois de notar, que o amor é a inclinação da alma e a força e a virtude que ela tem para ir a Deus, por que é mediante o amor que a alma se une com Deus.”

“O afeto e o apego da alma à criatura torna-a semelhante a esta mesma criatura. Quanto maior a afeição, maior a identidade e semelhança, por que é próprio do amor tornar aquele que ama semelhante ao amado.”

“O centro da alma é Deus, e quando ela houver chegado a ele segundo toda a sua capacidade, atingirá o seu último e mais profundo centro, o que se verificará quando com todas as suas forças conhece e ama a Deus.”

“Uma transformação no Amado, na qual ambas as partes se cedem reciprocamente, transferindo cada uma a posse de si para a outra, com uma certa consumação de união amorosa, na qual a alma se torna divina e deus por participação.”

“Que mais queres, ó alma, e que mais buscas fora de ti, se encontras em teu próprio ser a riqueza, a satisfação, a fartura e o reino, que é teu Amado a quem procuras e desejas?”

“Em teu recolhimento interior, regozija-te com ele, pois ele está muito perto de ti.”

“A alma que verdadeiramente ama a Deus não deixa de fazer o que pode para achar o Filho de Deus, seu Amado. Mesmo depois de haver empregado todos os esforços, não se contenta e julga não ter feito nada.”

“Ó Senhor, Deus meu! Quem te buscará com amor tão puro e singelo que deixe de te encontrar, conforme o desejo de sua vontade, se és tu o primeiro a mostrar-te e a sair ao encontro daqueles que te desejam?”

“A alma que busca a Deus e permanece em seus desejos e comodismo, busca-o de noite, e, portanto, não o encontrará. Mas quem o busca através das obras e exercícios da virtude, deixando de lado seus gostos e prazeres, certamente o encontrará, pois o busca de dia.”

“Quando a pessoa abre e se liberta de todo condicionamento, e une perfeitamente sua vontade a de Deus, transforma-se naquele que lhe comunica o ser sobrenatural, de tal maneira que se parece com o próprio Deus e se deixa possuir totalmente por ele.”

“O amor consiste em despojar-se e desapegar-se, por Deus, de tudo o que não é ele.”

“A pessoa, cujo estado de perfeição não corresponde à sua própria capacidade, jamais gozará da verdadeira paz e satisfação, porque, em suas faculdades, não chegou ainda àquele grau de despojamento, que se requer para a simples união.”

“Nesta desnudez acha o espírito sua quietação e descanso, pois nada cobiçando, nada o fatiga para cima e nada o oprime para baixo, por estar no centro de sua humildade. Porque quando alguma coisa cobiça, nisto mesmo se cansa e atormenta.”

“Quanto mais a pessoa se aproxima de Deus, mais profundas são as trevas que sente, e maior a escuridão, por causa de sua própria fraqueza. Assim, quanto mais alguém se aproxima do sol, sentirá, com seu grande resplendor, maior obscuridade e sofrimento, em razão da fraqueza e incapacidade de seus olhos.”

“Quem não procura senão a Deus não anda nas trevas, por mais fraco e pobre que seja”.

“Todo poder e liberdade do mundo, comparados com a soberania e a independência do espírito de Deus, são completa servidão, angústia e cativeiro.”

“Deus é inacessível. Não repares, portanto, no que as tuas faculdades podem compreender, nem teus sentidos experimentar, para que não te satisfaças com menos e assim perderes a presteza necessária para chegar a ele.”

“As visões e apreensões dos sentidos não têm proporção alguma com Deus: não podem servir de meio para a união com ele.”

“Quando a pessoa ama alguma coisa fora de Deus, torna-se incapaz de se transformar nele e de se unir a ele.”

“A criatura atormenta, e o Espírito de Deus gera alegria.”

“A mosca que pousa no mel não pode voar; a alma que fica presa ao sabor do prazer sente-se impedida em sua liberdade e contemplação.”

“O caminho da vida é de muito pouco ativismo e barulho. Requer mais mortificação da vontade do que muito sabe. Caminhará mais quem carregar consigo menos coisas e desejos.”

“A fé e o amor são os dois guias de cego que te conduzirão, através de caminhos desconhecidos, até os segredos de Deus.”

“O caminho que conduz a vós, Senhor, é caminho santo que se percorre na pureza da fé.”

“A esperança em Deus só pode ser perfeita quando se afasta da memória tudo o que se contrapõe a Deus.”

“O amor não consiste em sentir grandes coisas, mas em despojar-se e sofrer pelo Amado.”

“Por causa de prazeres passageiros, sofrem-se grandes tormentos eternos.”

“Criatura alguma merece amor senão pelo bem que nela há. Amar desse modo é amar segundo a vontade de Deus e com grande liberdade; e se este amor nos une à criatura, mais fortemente ainda nos une ao Criador.”

“Quanto mais se acredita em Deus e se serve a ele sem testemunhos e sinais, tanto mais ele é exaltado pelo homem.”

“Para quem ama, a morte não pode ser amarga, pois nela se encontram todas as doçuras e alegrias do amor. Sua lembrança não é triste, mas traz alegria. Não apavora nem causa sofrimento, pois é o término de todas as dores e o início de todo bem.”

“Quando tiveres teus desejos apagados, tuas afeições na aridez e angústias, e tuas faculdades incapazes de qualquer exercício interior, não sofras por isso; considera-te feliz por estares assim. É Deus que te vai livrando de ti mesmo, e tirando-te das mãos todas as coisas que possuis.”

“O progresso da pessoa é maior quando ela caminha às escuras e sem saber.

“À medida que Deus prova o espírito e o sentido, a pessoa vai adquirindo, com sofrimento, virtudes, forças e perfeição.”

“Enquanto a pessoa não se despojar de tudo, não terá capacidade para receber o Espírito de Deus em pura transformação.”

“O que busca satisfação em alguma coisa não está livre para que Deus o plenifique de seu inefável sabor.”

“Ainda que estejas no sofrimento, não queiras fazer a tua vontade, pois terás assim o dobro de sofrimento.”

“Quanto mais Deus quer-se dar, tanto mais desperta em nós o desejo dele, até deixar-nos vazios para encher-nos de seus bens.”

“A amplidão do deserto ajuda muito o espírito e o corpo. O Senhor se compraz quando também o espírito tem o seu deserto.”

“Põe a atenção amorosamente em Deus, sem ambição de querer sentir ou entender coisa particular a seu respeito.”

“Quando a alma deseja a Deus com toda a sinceridade, já possui o seu Amado”.

“Abandone-se a alma nas mãos de Deus e não queira ficar em suas próprias mãos; fazendo assim e deixando livres as potências, caminhará segura.”

“Quem não busca a cruz de Cristo não busca a glória de Cristo.”

“Não é bem orientado o espírito que quer caminhar por doçuras e facilidades, fugindo de imitar a Cristo.”

“Se quiseres chegar a possuir Cristo, jamais o busques sem a cruz.”

“Não te detenhas em coisas mesquinhas, nem repares nas migalhas que caem da mesa de teu Pai. Sai, e gloria-te em tua glória; esconde-te nela e aí goza, e alcançarás os pedidos de teu coração.”

“O olhar de Deus é amar e conceder favores.”

“Quando a alma se acha livre e purificada de tudo, em união com Deus, nenhuma coisa poderá aborrecê-la. Daqui se origina para ela, neste estado, o gozo de uma contínua suavidade e tranqüilidade, que ela nunca perde nem jamais lhe falta.”

“O falar distrai e o silêncio na ação leva ao recolhimento e dá força ao espírito.”

“Nenhuma representação ou imaginação serve de meio próximo para a união com Deus; portanto, deve a alma despojar-se de todas elas.”

“Aprendam a permanecer em Deus, com atenção amorosa, com calma, sem se preocuparem com a imaginação e com as imagens que ela forma. Assim, as faculdades descansam e não atuam; recebem passivamente a ação divina.”

“Ao que está desprendido, não lhe pesam cuidados, na hora da oração ou fora dela”.

“Para entrar no caminho do espírito (que é a contemplação) deve a pessoa espiritual deixar o caminho da imaginação e da meditação sensível.”

“O Senhor se comunica passivamente ao espírito, assim como a luz se comunica passivamente a quem não faz mais que abrir os olhos para recebê-la.”

“É humilde quem se esconde no seu nada e sabe abandonar-se em Deus.”

“Não se contentar com o que diz o confessor é orgulho e falta de fé.”

“Sem o amor nada são todas as obras reunidas.”

“O mais leve movimento de uma alma animada de puro amor é mais proveitoso à Igreja do que todas as demais obras reunidas.”

“Meus são os Céus e minha é a Terra, meus são os homens, e os justos são meus; e meus são os pecadores. Os Anjos são meus, e a Mãe de Deus, todas as coisas são minhas. O próprio Deus é meu e para mim, pois Cristo é meu e todo para mim.” (Sobre a Eucaristia)

“Não faça coisa alguma, nem diga palavra alguma, que Cristo não faria ou não diria se encontrasse nas mesmas circunstâncias.”

“Nada peça a não ser a cruz, e precisamente sem consolação, pois isso é perfeito.”

“Renuncie aos desejos e encontrará o que seu coração deseja.”

“Quem se queixa ou murmura não é cristão perfeito, nem mesmo bom cristão.”

“Um coração puro encontra em tudo o conhecimento de Deus.”

“As criaturas são vestígios das pegadas de Deus, pelas quais se reconhece sua grandeza, poder e sabedoria.”

“Os incomensuráveis bens de Deus só podem ser acolhidos por um coração vazio.”

“O Verbo Filho de Deus, juntamente com o Pai e o Espírito Santo, está essencialmente e realmente escondido no íntimo de cada ser.”

“É em teu próprio ser que podes desejá-Lo e adorá-Lo – não o procures fora de ti porque te distrairás e cansarás. Não o encontrarás nem gozarás dele com maior segurança, nem mais depressa, nem mais de perto, do que dentro de ti mesmo.”

“O estado de união consiste na transformação total da vontade humana na divina, de modo que nela nada haja de contrário a essa vontade, mas seja sempre movida, em tudo, pela vontade de Deus. Por isso dizemos que, nesse estado, as duas vontades formam uma só – a de Deus.”

“Dar tudo pelo Tudo.”

“Quem souber morrer a tudo terá vida em tudo.”

“Para o homem de coração puro, tudo se transforma em mensagem divina.”

“Adquire-se a sabedoria através do amor, do silêncio e da mortificação; grande sabedoria é saber calar e não inserir-se em ditos ou fatos e na vida alheia.”

“A alma que quer que Deus se lhe entregue inteiramente, há de se entregar toda sem reservar nada para si.”








%d blogueiros gostam disto: