Os elementos essenciais da vida monástica

12 08 2015

11870743_584165785054868_8828344074659939510_n

A semente foi plantada quando este artigo BECOSA começou a explorar a possibilidade de um instituto monástica na região sul Africano. Este era para ser um lugar de formação contínua e educação de monges e freiras em nossa região. Nós convidamos pensões como a melhor universidade Formadores beneditino e oradores experientes. No entanto, enquanto nós conversamos, chegamos a compreender que não podia ignorar o conhecimento e habilidade adquirida por membros de nossas comunidades. Quase todas as comunidades da nossa associação foi representada por pelo menos um dos seus membros para o programa MFP, e muitas vezes dois, três ou mais membros. Este programa visa atender às necessidades dos que trabalham na formação monástica ou estão se preparando para o futuro, beneficiando do ensino de alguns dos melhores mestres da vida monástica do nosso tempo. Mais de 300 monges e monjas de todos os continentes e diversas tradições monásticas frequentaram este curso. No verdadeiro sentido, é uma experiência de formação de formadores.

Com tantos membros com uma rica experiência de formação monástica, BECOSA Associação já tinha uma substância valiosa a partir da qual foi possível tirar sabedoria e pensamento monástica.

O que finalmente emergiu de nossas discussões foi perceber que a necessidade real era para conhecer o estado BECOSA exatamente o que a vida monástica. Quando expressamos nossas vidas, seja em palavra ou ação, o que vamos dizer? Como monges e monjas, o que podemos dizer sobre o que somos?

Assim, os antigos membros do MFP foram mandatados para expressar isso de uma forma que poderia ser discutida e aplicada em todas as nossas comunidades. Temos agora decidiu publicar este documento no site da AIM e de uma forma que permite que ele seja facilmente distribuído.

Este documento é tanto uma afirmação teológica e filosófica sobre a vida monástica. A vida monástica não é borrada. Ela tem uma definição e uma forma clara e inflexível, o monaquismo permanecendo igualmente empenhados com a vida. Esperamos que este documento em si uma expressão da vitalidade profunda e surpreendente está em jogo no coração do monaquismo.

Viver a vida cristã

Viva a vida monástica é “prefiro nada a Cristo” (RB 71, 11). Se queremos comunicar a essência da vida monástica para aqueles que se juntarem a nós ou ao público em geral, esperamos que esse princípio pode ficar como prova em que dizemos, em nosso modo de viver e o declínio para os outros. Em nossas comunidades, mantemos um ambiente que facilite essa preferência. As nossas comunidades são lugares onde “perfeito amor de Deus que lança fora todo o medo” é palpável (RB 7, 67; 1 Jo 4, 18).

Prefere nada a Cristo exige uma espécie de exploração de si mesmo, talvez uma busca do seu ser interior. Isso significa fazer perguntas sobre si mesmo, sua comunidade, aqueles que estão na inicial ou aspirar a juntar nossas comunidades.

– Como podemos conhecer o Cristo?
– Será que vivemos com Cristo e em Cristo?
– Quem é Cristo para nós?
– Onde posso encontrá-lo em vida monástica? E mesmo onde é que eu acho que para encontrá-lo na vida monástica?

A resposta a estas perguntas pode revelar muito sobre nós mesmos e nossas comunidades. Porque Cristo é o monge ideal para nós, e assim a nossa vida monástica nos configura com Cristo. A tradição monástica fornece-nos com a ajuda do Espírito Santo, de modo particular a imitar Cristo e permitir que Deus trabalhe e viva em nós e através de nós.

Aqueles que estão empenhadas em tornarcontínuo que dura desde o século 4, o desejo de viver como Deus quer, na sua graça e amor superabundante, como pode ser esperado de todos os cristãos.Monaquismo só escolheu para fazer isso com uma intensa consciência de servir a Deus como parte de uma comunidade e como sacerdote, régua e do Evangelho. Mas a vida cristã é a base para o desenvolvimento dessa consciência. A nossa vida cristã não pode ser separada da nossa vida monástica. Por isso, queremos levar a particularidade cristã autêntica e com zelo.

Viver a promessa baptismal

O nosso batismo nos une a Cristo, se por algum tempo após o nascimento ou, para outros mais tarde na vida. Isso significa que somos marcados como pertencentes a Deus, selado na vida e no ensinamento de Cristo, que se torna, assim, o nosso modelo. É a prova de fogo do que fazemos e dizemos.

O encontro com a Palavra de Deus

Cristo é a Palavra de Deus. Este é o título dado a ele. A ignorância das Escrituras é ignorância de Cristo. A relação com Deus é o ponto de partida para conhecer essa Palavra. Devemos estar dispostos a interagir com Deus, a escuta da Palavra de Deus e responder quando entrevistamos.

Oração

A vida monástica tem uma teologia preciso: o caminho pelo qual encontramos Cristo e implantar nossa oração. Se nós precisamos saber como orar, olhamos para Cristo como nosso mestre e exemplo. Ele é a oração especialista supremo. Em cada etapa de sua própria vida, ele se juntou a um lugar deserto para orar. Nós também pode viver a oração em cada passo de nossa jornada, e especialmente neste caminho monástica nos cristifica.

A vida monástica é mais uma disposição interior. O nosso comportamento exterior reflete a transformação que ocorre em nós. Como monásticos, podemos orientá-se neste jornada de exploração da vida monástica em Cristo, especialmente aqueles que estão em formação inicial.A vida monástica é continuamente voltar-se para Deus como a fonte da vida. Nossa fé deve ser uma experiência viva, que deve ter um significado especial para nós e não apenas um conceito ou doutrina. Nós nos evangelizar pela nossa fé. Nós acreditamos em nosso relacionamento com Cristo. Nós confio na Palavra e nós segui-lo.

Outros Sacramentos

Através da nossa fé, dos sacramentos revelar seu significado. Eles construir a nossa relação com Cristo e para a nossa comunidade. Eles expressam a vida que flui de Cristo. Por outro lado, a vida monástica marca a nossa vida sacramental, tanto ao nível da comunidade que a jornada individual. Nós vivemos os sacramentos em nosso caminho uns com os outros e em nosso caminho interior de conversão a Deus. Tudo isso é baseado em nosso relacionamento com Cristo.

Em vez de o Espírito Santo

Monges e monjas são portadores do Espírito. Marcamos o Espírito de Cristo em nosso batismo.Não somente nós cremos na Palavra através do Espírito Santo, mas também temos em nós mesmos. E, sendo portadores do Espírito, nós também somos detentores de Cruz. Nossa vida monástica está intrinsecamente ligada ao mistério pascal. Vivemos este mistério em nossas vidas diárias. Cristo nos deu o seu Espírito, através de sua morte e ressurreição. Nós também temos de tomar nossa cruz e seguir os seus passos.

Pertença a Cristo

Tudo o que temos descrito a vida cristã serve para mostrar que a nossa relação com Cristo é tão íntima e próxima que podemos nos manter longe da presença de Cristo. Nós pertencemos a Cristo. Não podemos fugir dessa realidade ou atrás de nós. Como monásticos, nós abraçamos a Cristo com todo o coração, toda a mente e com toda a nossa alma, e estamos no fogo com seu ensino e da sua vida.

Da teologia da ação (Prologue 20)

becosa13Bento descreve a comunidade como uma “escola de serviço do Senhor” (RB Prologue 45). A escola descrito por Bento é uma oficina onde habilidades de trabalho pode ser afinados e aperfeiçoada.O quadro espiritual da vida monástica deve passar de teologia para a ação. O que parece ser o layout interior na prática? No Prólogo da Regra, Bento XVI escreve: “O que é mais doce, queridos irmãos e irmãs, que a voz do Senhor nos convida! Veja: no seu amor, o Senhor mostra-nos o caminho da vida. Portanto, tomai a correia a fé ea prática de boas ações. Deixemo-nos guiar pelo Evangelho e seguir em frente nos caminhos do Senhor. Então, vamos merecem vê-lo que nos chama ao seu reino “(RB Prologue 19-21).

Para encontrar respostas para as questões acima mencionadas, este é verdadeiramente procuram Deus.

Assim, o nosso ponto de partida é a preferir nada ao amor de Cristo. Queremos viver como Cristo viveu. Queremos agir como Cristo é. Então, a nossa introdução à vida monástica é através de uma vida em Cristo, sob a liderança comprovada da Regra de São Bento. Nós passar esta vida através de nosso ensino e agir aqueles que, novo, vir até nós. Por exemplo:

– Se vivemos com o Evangelho para orientar a lectio deve ser praticado normalmente ea nossa vida monástica deve ser impregnado. Nossa lectio deve ser uma experiência vivida.

– A liturgia é vida para nós, porque é a vida vivida em Cristo. É a comunidade que reza unida. A nossa liturgia deve ser realizado em conexão com a maneira como vivemos a nossa vida comunitária.

– A comunidade é a nossa vida de comunhão. Nós desenvolvemos relacionamentos com nós como Cristo, e este tecido relacional deve ser sentido na nossa maneira de viver a vida monástica.

– Nosso trabalho é a nossa missão. É o nosso apostolado.

– E, finalmente, a conversão deve ser uma experiência que vivemos no fundo de nós mesmos. A conversão é uma transformação nas profundezas do nosso ser e deve ser refletida em nosso modo de vida em Cristo. Nossa conversão é visto pelos outros, e às vezes pode surpreender-nos por isso estamos juízes pobres em relação a nós mesmos.

Lectio

Ouvir é o primeiro passo em nosso relacionamento com Deus. Este é o ponto crucial da introdução à lectio divina . A lectio tornou-se uma das atividades centrais de um monge porque ela nos permite “ouvir com o ouvido de nosso coração” (RB Prologue 1). Em nossa prática da lectio , desenvolvemos fé e confiança no fato de que a Palavra de Deus é Espírito e Verdade. Esta verdade é evidente na forma como nós deixar que a Palavra nos movemos e nos transforme. Nós ouvir e traduzir em ação o que Deus diz na Bíblia pela fé.

A prática da lectio é “buscar o coração de Deus na Palavra de Deus” (Gregório Magno). É por meio das escrituras que passamos a conhecer o Deus que nos ama. Nós ler devagar, metodicamente, com cuidado e repetidamente para encontrar Cristo, e deixe-nos ensinar como seus discípulos. Assim, a maneira que nós somos ensinados, inspirado, confortado e desafiado pelo Evangelho torna-se uma parte da jornada da nossa vida, com as realidades que enfrentamos e os dons que recebemos. A conclusão da Regra (RB 73), os capítulos sobrelectio , obediência e trabalho de Deus, podemos alimentar uma espiritualidade da Palavra em ação.

De qualquer forma, nossa jornada iluminada pela Bíblia não é apenas individual. Nós temos que compartilhar a Palavra com os outros. Quando podemos, tentamos encher nossos pensamentos textos bíblicos.

Liturgia

A liturgia, num contexto monástica é uma liturgia viva, não apenas um desempenho ou uma rotina obrigatória. Ele é para nós escola de oração. Imitamos Cristo na oração com ele. Porque ele próprio usou os Salmos em sua própria relação com o seu Pai, que faria seu grito na cruz (Salmo 22). O mistério pascal está vivo em nós através da adoração que fazemos juntos em comunidade. Assim, temos de aprender a orar por ele, ao participar activamente no que dizemos e fazemos juntos como uma comunidade. A preparação e reflexão tornar-se aspectos cruciais deste esforço. A oração individual é a base dos nossos salmos “para que a nossa mente está de acordo com as nossas vozes” e vice-versa (RB 19, 7). Use a liturgia de elementos, especialmente os Salmos, na nossa oração pessoal pode ser eficaz o suficiente para este culto vivo.

Os Salmos são a peça central de nossa Opus Dei . Como monásticos, tentamos entender qual o papel que eles desempenham em cada escritório e em nossas próprias vidas. Temos de ser capazes de ensinar as pessoas a rezar os salmos, transmitir valor e ver o que eles significam para nós e para o mundo.

Nós compartilhar e celebrar a nossa fé no Opus Dei . Na Eucaristia com Cristo e uns com os outros, começamos a descobrir a beleza da adoração desde que introduzimos nosso próprio corpo dessa beleza. Enquanto a liturgia torna-se um ato sagrado que imita Cristo e seus ensinamentos. O que fazemos como Igreja de Cristo é a nossa resposta ao seu sacrifício de amor. A comunidade que reza unida expressa gratidão para com o amor de Deus para toda a criação.

Comunidade

Esperança, fé, amor e caridade: se um ou outro ponto está faltando em nossa vida comunitária, então nossas comunidades começam a avaria. Todas essas características devem estar presentes em uma comunidade e amor centrado em Cristo que contém tudo. E, como diz Paulo, “o maior de todos os dons é amor” (1 Cor 13, 13).

Como dissemos acima, a vida comunitária é uma vida de comunhão, não só entre si mas também com Deus. É a Eucaristia que nos faz viver corpo de Cristo. A comunidade é realmente “a escola de serviço do Senhor”, onde todos nós trabalhamos juntos na arte de servir a Deus. Servir não é nada mais do que uma expressão de amor.

Todos os capítulos da Regra de São Bento que lidar com diferentes funções no mosteiro – o abade, o despenseiro, mestre de noviços, o hoteleiro, pessoas idosas, etc. – Intimamente refletem o serviço a que Jesus nos chama a todos, pelo seu próprio exemplo e seu novo mandamento de amar uns aos outros como ele nos (João 13 RB 2, 21, 31.35.38.53.57.58.65 e outros) amei .

No serviço, obediência – e muito menos obediência mútua (RB 5, 71) – desempenha um papel crucial. Nós usamos um ao outro através da obediência em comunidade. Assim, começamos a ver toda a vontade de Deus (RB 3). A Eucaristia é o sinal sacramental da nossa vida comunitária, uma vez que constrói a nossa vida comunitária da mesma forma que cria uma teologia da comunidade. Amor, intimidade, amizade e afeto são as características deste tipo de comunhão. Nós confio e acredito na unidade da nossa comunidade que permite desenvolver o diálogo ea comunicação. Em uma comunidade de fé e amor, estamos comprometidos com a estabilidade (que é um dos três componentes do nosso votos monásticos e obediência, RB 58).

Para facilitar esse compromisso, é importante para uma comunidade monástica para saber sua história e de ser capaz de receber a partir dele como muito do que vem de seu sucesso com os seus erros.

A fim de facilitar também o engajamento, a comunidade deve ter uma boa compreensão do verdadeiro lugar de disciplina e as regras que regem a vida da comunidade. A correção fraterna é necessário e saudável, desde que esse direito é exercido com bondade e leva à reconciliação e do perdão.

O principal fundamento da cultura em comunidade é o Evangelho ea Regra de São Bento oferece um caminho que tem provado a viver o Evangelho. Esta é a cultura que temos recebido como monges e monjas. Não há outras considerações não deve substituir isso.

Trabalhando

O trabalho em nossas comunidades devem, espero, ter qualidades em termos de recepção e missão. Além disso, como afirmou Benoît, não devemos ter medo de sujar as mãos. Na medida do necessário, o trabalho manual é parte da nossa vida (RB 48, 8). E qualquer trabalho que fazemos, esta é mais uma maneira de construir a comunidade. Nós trabalhamos para o desenvolvimento humano, para outros, bem como o nosso. Como artesãos, participamos como co-criadores e colaboradores na construção do reino de Deus.

Conversão

becosa14grpQuando fazemos profissão monástica, conversão de vida representa a terceira parte do nosso pensamento. Esta dimensão implica que nós aceitamos a ser liderado por Cristo, que morreu por nós, para que nos tornemos novas criaturas em si (1 Cor 5: 14,17). O Espírito Santo não é apenas aquele que nos cria, mas também é aquele que constantemente nos recria.Tornamo-nos novas criaturas em descobrir o amor de Deus por nós, para que possamos amá-lo (1 Jo 4, 19).Crescimento e mudança são como o fruto dessa vinda de amor em nossos corações (Rm 5, 5). Como já foi dito, esta irrupção é servido principalmente pelo nosso batismo. Assim, lembre-se nosso convênio batismal nos ajuda a permanecer confiante no meio das mudanças necessárias e cruciais que Deus pode possivelmente chamar.

A conversão envolve não apenas a transformação, mas também humildade. Capítulo 7 da Regra de São Bento é um excelente guia para abrir-nos aos impulsos e movimentos do Espírito em nós. Humildade, por vezes, requer uma mudança radical quando sairmos dos nossos próprios caminhos para colocar a comunidade em primeiro lugar nas decisões que tomamos. Temos muito a aprender uns com os outros, especialmente aqueles que tomaram este caminho antes de nós e até mesmo aqueles que virão depois de nós. Benedict enfatiza a importância de consultar os membros mais jovens da antiga, bem como da comunidade e perguntar-lhes sobre o que pensam ou sabem porque “o Senhor muitas vezes descobre um irmão mais novo como é o melhor “(BR 3, 3). É preciso humildade para admitir os limites de nosso conhecimento e necessidades da comunidade e Deus.

Bem como a estabilidade ea obediência andam de mãos dadas, obediência e conversão estão intimamente relacionados entre si, tornando as três partes do mesmo todo um voto aninhada para que complexo. Bento não vê-los como três saudações diferentes, mas como partes da mesma promessa. New chegar em nossas comunidades para entender completamente o significado do voto e que o compromisso realmente significa para eles. Portanto, é importante que um recém-chegado a ler todo o capítulo 58 e repetidamente. O discernimento de conversão é um requisito importante. Este é desejar o puro leite espiritual, para que o crescimento pode acontecer a salvação (1 Pedro 2: 2). Alguns documentos podem ajudar a entender o compromisso:

– O Rito de Iniciação Cristã para adultos católicos traça o caminho de um reengajamento vida cristã das promessas batismais.

– O ritual de batismo no livro de orações Anglicana da Igreja Anglicana da África do Sul ou o livro de oração comum da Igreja da Inglaterra ea da Igreja Episcopal dos Estados Unidos pode ser uma outra fonte documentação importante.

Este ritual lembra-nos as promessas que fazemos, ou que outra pessoa deu em nosso nome, quando nós entrarmos na igreja cristã. Nosso voto monástico é mais uma realização de nosso batismo. Assim, o treinamento na vida monástica é realizada até mesmo durante o curso de um aspirante, que pode precisar de um pouco de catequese e de formação para o espírito monástico. Uma boa base cristã é vital para a vocação de um recém-chegado.

A conversão também afeta vários outros aspectos de nossa vida em comunidade:

– O sacramento da reconciliação não é simplesmente uma maneira para nós para lavar os nossos pecados, mas uma oportunidade de conversão.

– Repetir: correção fraterna pode ser uma fonte eficaz de conversão, uma vez que é feita de forma amigável.

– Além do Capítulo 7, Secção 4 de Regra de São Bento para nós muito claramente listar as ferramentas de conversão. Este capítulo pode iluminar grandemente os meios de obtenção de “puro leite espiritual” que assim o desejarem.

– O desenvolvimento humano e espiritual deve contribuir para o nosso crescimento na salvação. Quando crescemos, é como uma pessoa em todas as suas componentes.

– A auto-consciência não pode ser uma ferramenta de conversão óbvio, mas temos que ser consciente o suficiente para ser monges e monjas. A vida monástica é uma vida de plena consciência. Nós nunca conscientemente manter maus hábitos.

A motivação para buscar a Deus

No capítulo 58 da Regra de São Bento, ele disse que não deveríamos dar uma entrada fácil para novos candidatos na vida monástica. Devemos “procurar saber se o espírito com que eles vêm de Deus” (RB 58, 1; 1 João 4: 1). Esta declaração mostra como São Bento quer que sejamos cuidadosos com a formação dos recém-chegados. Ele também diz que “nós damos-lhes um ex-irmão, capaz de levá-los a Deus. Este irmão está cuidando deles com muito cuidado. Ele vai olhar atentamente para o recém-chegado. Será que ele realmente procura a Deus? Ele é ansiosamente aplica ao serviço de Deus, obediência, testes que fazem humilde? “(RB 58, 6-7). Os treinadores das nossas comunidades têm na maioria dos casos uma responsabilidade grande e até mesmo muito importante da vida monástica. Bento é muito clara sobre isso no Capítulo 58 da Regra. James Otis Sargent Huntington, o fundador da ordem da Cruz gloriosa, escreve na sua Regra que o futuro de uma comunidade está em suas mãos (regra de James Otis Sargent Huntington, c. 32, § 146). O formador ensina não só pelo que ele diz, mas também pelo exemplo. Ele ou ela dá para ver o que a vida novatos em busca de Deus deve ser como. A característica mais importante do treinamento é que isso não acontece em “uma classe”, mas no acompanhamento espiritual ativa dos noviços.

Mas também é importante perceber que a comunidade deve promover um ambiente em que uma boa formação pode acontecer. O treinador desde que a comunidade é um modelo para aqueles que chegam. E assim, boa comunidade treinamento é aquele que pode ver em todas as coisas a busca de Deus. Em certo sentido, todos nós estamos continuando comunidade educativa sobre a tradição monástica. O treinamento não pára com os votos perpétuos.Continuamente aprender, crescer e desenvolver-se como um macho ou fêmea grupo de convivência na unidade é a melhor maneira de ganhar as almas daqueles que entram em nossas comunidades, e aqueles que de uma forma ou outro em contacto connosco. Em outras palavras, nós todos juntos e ser imitadores de Cristo.

Abaixo está uma lista de treinamento “essencial” para a tradição monástica, ele é bom ter conhecimento como monges e monjas que foram introduzidas a esta forma de vida antiga, que respira e dá sempre vitalidade. Alguns destes pontos foram abordados em detalhes nos parágrafos anteriores e são agrupados em categorias gerais, após uma breve introdução.

E Relações com a Comunidade

O estagiário deve aprender a desenvolver relacionamentos e compreender o que significa viver em uma comunidade particular. Criar ligações entre as duas partes exige sacrifícios por parte do candidato ea comunidade. A comunidade desempenha um papel de mentor em como estabelecer essa relação e pode ajudar o recém-chegado a ser formado. Os membros da comunidade devem agir de tal forma que eles têm de provar-se digno de ser imitado. Eles oferecem modelos e maneiras de ensinar a pessoa que está em formação. A comunidade deve estar envolvida neste processo. Aqueles que vêm deve aprender a escutar, a amar os seus irmãos e irmãs, aprender com os outros e os seus exemplos e mostram um cuidado visível e um certo interesse nas propostas e os ensinamentos da comunidade. Existe uma relação entre duas partes e, é claro, o diálogo é crucial. Esperemos que, postulantes e noviças são capazes de procurar Deus na comunidade, em sua vida, e seus membros nas suas relações com a comunidade. O recém-chegado ea comunidade em conjunto para se engajar nesse processo e fielmente.

1- Ouça a amar – ouvir com o coração é o verdadeiro fundamento da vida monástica.

2- A comunidade deve ser o foco cristocêntrica.

3- vida comunitária é crucial nos estágios iniciais de formação.

4- Devemos todos querem aprender uns com os outros.

5- Buscamos Deus na comunidade.

6- Nós pagamos a atenção para o outro.

7- O treinador não é o único preocupado com o recém-chegado individual. A comunidade também é formativa.

Diálogo 8- (ver introdução acima).

9. Compromisso com a vida da comunidade e sacrifício (ver introdução acima).

10- Quando nos reunimos em comunidade, assim como nós somos. A falsa piedade não tem lugar em verdadeiras relações no seio da tradição monástica.

11- Os membros da comunidade têm de imitar a Cristo (ver introdução acima).

12- Quando nos reunimos em relação, nós vivemos “nosso” liturgia (veja acima sobre a Liturgia).

13- A comunidade deve ser um lugar santo, sagrado, um espaço onde o sacrifício tem lugar no qual somos santificados.

As habilidades na comunidade de recém-chegados, pré-requisitos?

Como já disse, a vida monástica preferem nada a Cristo. Esta preferência informa o caminho todo mundo vive. Se tivermos o amor perfeito de Deus, ele irá conduzir fora todo o medo.Esta afirmação era especialmente o capítulo sobre humildade. Este valor claramente monástica permeia todos aqueles que vivem essa preferência. Cristo é o humilde servo que “ter a forma de Deus, não teve ciúmes ocupou o posto que igualou a Deus, mas esvaziou, assumindo a forma de servo, chegando em semelhança de homens. Reconhecido homem em sua aparência, ele se humilhou, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz “(Fl 2, 6-8). Isto é o que procuramos quando vemos nossos noviços e postulantes crescer em nossa tradição. Capítulo 58 também descreve muito bem as qualidades de olhar para aqueles que se juntar a nós.

1- faz uma pesquisa, um desejo de Deus? Será que recém-chegado busque a Deus com todo o coração e toda a alma e com toda a sua mente?

2- É a pessoa pode entender uma mensagem integrados na vida comum? Será que ele ou ela está interessada ou dócil / e saber o ponto de vista de seu desenvolvimento humano e espiritual?

3- Será que o candidato busque a Deus na comunidade? (Veja as seções sobre comunidade acima.)

4- O recém-chegado define uma relação de amor definitivo com Cristo ressuscitado e leva outros a esta reunião de diálogo.

5- Compromisso com a vida da comunidade e sacrifício, como dom de si (veja as seções sobre comunidade acima).

6- A Palavra é vivida em toda a pessoa.

7- A pessoa está disposta e capaz de conversão.

8. Será que o estagiário se sente bem com os outros? É que ela conheceu através desta comunidade? Será que vai de falsa piedade sobre esta pessoa?

9- A pessoa deve estar disposto a imitar a Cristo e mostrar sinais de que está bem feito nele.

10- Todos devem entender o caminho ea origem das pessoas em formação.

11- Será que o recém-chegado compreender o significado eo propósito da vida monástica?

12- É o estagiário pronto para ter, a fim de ser ensinada?

13. Quem é Cristo para o candidato?

14- Espera-se que o recém-chegado como oração e é naturalmente inclinado a orar.

15- O recém-chegado deve também amar a Palavra de Deus.

A maioria dos formadores: a arte de ganhar almas

As sobreposições entre as qualidades para procurar em aqueles que estão em formação e aqueles que o treinador considera fundamental possuir ou cultivar, como tal, são bastante surpreendente. Não, nós não estamos tentando fazer com que nossos postulantes e noviças fotocópias de nós mesmos, nem tentando fazer os outros membros da comunidade de robôs.Se assim fosse, os nossos próprios egos estão muito envolvidos no processo de formação.Quem faz o melhor e da maneira mais verdadeira é Cristo através do ensino do Espírito Santo, nas palavras o Papa Bento XVI: “Educar torna-se uma missão maravilhosa se realiza em colaboração com Deus que é o primeiro e verdadeiro educador de todo homem “. Papa Bento XVI afirma em conexão com o batismo. A criança é educada “para o sacramento que marca a entrada na vida divina na comunidade eclesial”. Ele disse aos pais: “Podemos dizer que esta foi a sua primeira escolha educativa como testemunhas da fé a seus filhos: a escolha é fundamental! “(Papa Bento XVI, homilia para a festa do Batismo de Cristo, pregado no Vaticano 08 de janeiro de 2012).

Educamos estagiários para viver novamente do seu Baptismo, para lembrar quem eles são e para quem eles pertencem. A vida monástica pode ser visto como uma demonstração e uma outra expressão da vida batismal em Cristo. Se temos de ser formadores / educadores devemos lembrar que é realmente o instrutor e não impedi-lo. É por isso que devemos desejo de ser treinado por Cristo. Temos que ser maleável para a salvação trabalhando em Cristo. O Papa Bento XVI escreve: “Como adultos, temos o compromisso de recorrer a boas fontes para o nosso bem e para a de quantos estão confiados à nossa responsabilidade” ( Ibid .).

Isto é especialmente verdadeiro quando se é mestre de noviços. Precisamos desenhar a partir da fonte de Cristo, a Palavra e os sacramentos da Igreja. Temos de “nutrir” nós mesmos “com estas fontes, a fim de orientar os mais jovens em seu crescimento.” Para dar, recebemos e buscar a Palavra de Deus na vida da comunidade, na nossa oração e na formação que oferecemos. E acima de tudo, procuramos imitar a Cristo, para serem conformes à medida em que nós ensinamos nossos candidatos e os nossos novatos a fazer o mesmo.

1- Os formadores de ser imitadores de Cristo.

2- Nós, treinadores vêm aos nossos novatos assim como nós somos, abandonando qualquer forma de falsa piedade.

3- Os nossos postulantes e noviças eles podem ver que a conversão funcione através de nós, seus mestres novatos?

4- Do vivemos a Palavra e aceitar para os recém-chegados?

5. Estamos empenhados em viver em comunidade na oferta de nós mesmos.

6- Os formadores para estabelecer um relacionamento amoroso decisivo com Cristo ressuscitado e eles devem ser capazes de levar os outros à reunião de diálogo.

7- Não buscamos a Deus na comunidade?

8- Não oferecemos uma mensagem integrada à experiência de vida?

9- Faça uma pesquisa e desejo dentro de nós, especialmente no que diz respeito a Deus?

10- Temos de garantir a boa vontade ea confiabilidade dos candidatos. Precisamos mostrar um monte de amor e estar preocupado com esta tarefa e, se necessário, discutir com outros especialistas.

11- O acompanhamento é a liderança e companheirismo, à luz da aprendizagem ao longo da vida do viajante que viaja com a gente.

12. Os formadores devem ser capazes de compreender onde os candidatos.

13. Os formadores devem ter um bom entendimento, sólida do significado e propósito da vida monástica.

14. Os treinadores têm de criar um ambiente para o noviciado para ser um lugar de oferta (e, portanto, santificação) dentro da comunidade.

15. Os treinadores têm de estar abertos à mudança e, particularmente, aprender com aqueles que são treinados.

16. Quem é Cristo para nós, treinadores?

17- Devemos amar e incentivar a oração.

18- Devemos amar e incentivar um amor da Palavra.

O efeito de tudo isto

Em sendo guiado e conduzido pela tradição monástica, o nosso objetivo é ter uma atitude verdadeiramente consciente e responsável para a presença de Deus em nós. A vida monástica se torna autêntico testemunho de vida cristã. Em outras palavras, a vida monástica é nada, mas uma vida cristã vivida com seriedade e integridade.

Fonte pesquisada:http://www.aimintl.org/

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: