Um Monge e sua Curiosidade

19 09 2013

945590_254968371307946_1445568873_n

Vivia um monge no silêncio de seu mosteiro… Era sábio e santo. Permitiu Deus que uma curiosidade perturbasse a paz de sua alma: “Qual será atualmente no mundo – perguntava-se – das almas a mais santa?” “E a mais sábia e mais feliz, qual será?”
Estava no côro, às primeiras horas da manhã, orava e dirigia a Deus a mesma pergunta: “Senhor, das almas que vivem agora neste mundo, qual será a mais santa, mais sábia e mais feliz?” Ouviu uma voz que lhe dizia: Vai ao pórtico da igreja e ali te dirão qual é”.
O monge pôs o capuz na cabeça, meteu as mãos nas largas mangas do hábito e atravessou os claustros silenciosos. Chegou ao pórtico. Um pobre ali estava. Passara a noite estendido num banco de pedra e naquele momento espreguiçava-se e benzia-se.
– Bom dia, irmão – disse-lhe o monge.
– Bom dia, – respondeu o mendigo com rosto alegre e em tom de entusiasmo.
– Irmão – replicou o monge – pelo que vejo estás contente.
– Sempre estou contente.
– Sempre? Então és um homem feliz?
– Muito feliz – respondeu o humilde mendigo.
– Feliz?… não creio. Dize-me: Quando tens fome e pedes esmola e não recebes… és feliz?
– Sim, padre, sou feliz, porque penso que Deus, meu Pai, quer que eu passe um pouco de fome… Êle também passou… Mas Deus é muito bom para mim; nunca me falta um pedaço de pão.
– Dize-me – prosseguiu o monge – quando está nevando no inverno e tu, tremendo de frio, vais de porta em porta, como um passarinho que salta de um galho para outro, és feliz?
– Sim, padre, muito feliz, porque penso: é Deus, meu Pai, que quer que passe um pouco de frio, pois também êle passou frio… Aliás nunca me falta um palheiro, onde passar a noite.
Estava o monge admirado… Contemplando-o de alto a baixo, disse:
– Tu me enganas… não és pobre.
Sorriu o mendigo e respondeu:
– Não, Padre, eu não sou um pobre.
– Logo vi… Então, quem és?
– Padre, disse o outro, sou um rei que viajo incógnito por êste mundo.
– Um rei?… Um rei?… E qual é o teu reino?
– Meu reino é o meu coração, onde mando sôbre minhas paixões! Tenho, porém, um reino muito maior… Vê o senhor êsse céu imenso? tem visto o sol, as estrêlas, o firmamento? Tudo isso é de Deus, meu Pai. Todos os dias ponho-me de joelhos muitas vêzes e digo: “Pai nosso, que estais no céus… como sois grande, como sois sábio, como sois poderoso! Não vos esqueçais dêste pobre filho que anda por êste mundo. Creia-me: Quando chegar a morte, despirei êstes andrajos e voarei para o céu, onde verei a Deus, meu Pai, e com êle reinarei pelos séculos dos séculos”…
O monge não perguntou mais. Baixou a cabeça e voltou ao côro; estava convencido de ter encontrado o homem mais santo, mais sábio e mais feliz neste mundo.

Read more: http://www.saopiov.org/2012/06/tesouro-de-exemplos-parte-117.html#ixzz2fMy8dO4e

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: