A Mendicancia

25 03 2013
São Francisco de Assis

São Francisco de Assis

Começarei transcrevendo os escritos de Tomás Celano falando sobre a vida mendicante do pai Seráfico São Francisco de Assis.

CAPÍTULO 7. Assaltado por ladrões, é jogado na neve.
Servidor dos leprosos.

Vestido de andrajos, ele que em outros tempos andara de
escarlate, e cantando os louvores de Deus em francês através de um
bosque, foi asssaltado por ladrões. Perguntaram-lhe brutalmente
quem era, e ele respondeu forte e confiante: “Sou um arauto do
grande Rei! Que é que vocês têm com isso?” Bateram nele e o
jogaram numa fossa cheia de neve, dizendo: “Fica aí, pobre arauto
de Deus”. Quando se afastaram, revirou-se na fossa e conseguiu
sair, sacudindo a neve. Com alegria redobrada, começou a cantar
em voz alta pelos bosques os louvores do Criador de tudo.
Chegando a um mosteiro, passou muitos dias na cozinha como
servente, vestido apenas com uma túnica vil. Quisera saciar-se com
um pouco de caldo, mas ninguém teve pena dele e não conseguiu
sequer alguma roupa velha. Saiu dali, não levado pela raiva mas pela
necessidade, e foi para a cidade de Gúbio, onde conseguiu uma
túnica com um de seus velhos amigos.
Algum tempo depois, quando a fama do homem de Deus cresceu e o
seu nome se espalhou no meio do povo, o prior daquele mosteiro,
lembrando-se do que fora feito para Francisco e se arrependendo,
procurou-o e pediu-lhe perdão por amor de Deus em seu nome e no
dos monges.
17. Depois disso, amante santo de toda humildade, transferiu-se
para um leprosário. Vivia com os leprosos, servindo diligentemente
a todos por amor de Deus. Lavava-lhes qualquer podridão dos
corpos e limpava até o pus de suas chagas, como disse no
Testamento: “Como estivesse ainda em pecado, parecia-me deveras
insuportável olhar para leprosos, mas o Senhor me conduziu para o
meio deles e eu tive misericórdia com eles”.
Essa visão lhe era tão insuportável que, em suas próprias palavras,
no tempo de sua vida mundana, tapava o nariz só de ver suas
cabanas a duas milhas de distância. Mas, eis que um dia, quando,
por graça e força do Altíssimo, ainda vivia como secular mas já tinha
começado a pensar nas coisas santas e úteis, encontrou-se com um
leproso e, superando-se, chegou e o beijou. A partir de então, foi
ficando cada dia mais humilde até conseguir vencer a si mesmo, por

misericórdia do Redentor.

Ajudava também os outros pobres, mesmo quando ainda era secular

e seguia o espírito do mundo, estendendo sua mão misericordiosa
para os que não tinham nada e mostrando compassivo afeto para
com os aflitos. Houve um dia em que, contra seu costume, porque
era muito bem educado, tratou mal um pobre que lhe pedia esmola.
Mas logo, arrependido, começou a dizer consigo mesmo que era
grande ofensa e vergonha negar a quem estivesse pedindo no nome
de tão grande Rei, o que quisesse. Resolveu que jamais negaria a
quem lhe pedisse em nome de Deus o que estivesse ao seu alcance.
E o cumpriu com muita diligência, até oferecer totalmente a si
mesmo, fazendo-se antes um cumpridor que um mestre do
Evangelho: “Dá a quem te pede e não te desvies daquele que te
pedir emprestado”. (Escritos Tomás de Celano)

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: