A sabedoria adquire-se com o sofrimento

22 02 2013

O mal, o sofrimento, a culpa são manifestações do limite da criatura humana, contudo os grandes meios de comunicação ensinam-nos tudo sobre modas e modos de viver, mas ignoram qualquer interrogação e resposta de sentido da existência. Chegou ao âmago a segunda parte dos exercícios espirituais para a Cúria Romana, na presença de Bento XVI, pregados pelo Cardeal Ravasi, presidente do Pontifício Conselho para a Cultura. Na  manhã de quarta-feira, 20 de Fevereiro, o purpurado começou a traçar as características do «Rosto do homem», começando pelo «homem crente» e pelo «homem criatura frágil».

E isto, partindo da última das sete cartas do Apocalipse, a que dirigiu à Igreja de Laodiceia na Ásia Menor. «Parece – disse o cardeal – o retrato de muitas comunidades cristãs contemporâneas, mas também da própria sociedade na qual estamos imersos». Nela é evidenciada a tibieza, a superficialidade, a mediocridade, a banalidade». «Não é imoral, mas amoral», afirmou o purpurado. No fim da carta, o «aborrecimento» por esta condição dissolve-se e aparece Cristo que «passa pelas estradas do mundo» e aproxima-se de uma porta e bate. A referência é à simbologia «amorosa do apaixonado que está à porta da amada, a qual se mostra reticente em abrir». Este cenário manifesta «a primazia da graça, a cháris que se torna caritas». Se Cristo «não passasse e não batesse, nós permaneceríamos fechados na nossa história solitária e autónoma». Neste cenário entra um elemento novo, disse o purpurado. «Depende de nós ouvir aquele bater e aquela voz que chama». Há quem permaneça fechado e opta por não ser incomodado e ignora aquela voz. É este – disse – o momento da liberdade humana, da pístis, a fé que acolhe a cháris, a chamada, o dom, a teofania».

Na segunda meditação da manhã, o cardeal explicou outro rosto, o do «homem criatura frágil». A experiência do sofrimento «provocou todas as teologias e tornou-se substância de orações infinitas em todas as religiões». A este propósito, o purpurado observou que quase um terço do saltério é «constituído por súplicas pessoais ou de lamentações comunitárias». Porquê?, pergunta o homem dilacerado pela dor. O orante dos salmos dá «voz a todos nós quando experimentamos aquilo que em hebraico é chamado sar, ou seja, «angústia», uma palavra que indica um limite, um fechamento sem respiro».

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: